Antevisão do dia 26 de Novembro

Com a che­ga­da do ter­cei­ro dia do Cami­nhos do Cine­ma Por­tu­guês che­gam tam­bém três dinâ­mi­cos blo­cos de cine­ma cujas obras apre­sen­ta­das se inter­li­gam. No pri­mei­ro serão exi­bi­dos Som­bra Lumi­no­sa, de Fran­cis­co Quei­ma­de­la e Mari­a­na Caló, Quan­tas Vezes tem Sonha­do Comi­go?, de Júlia Buí­sel e O Homem Pykan­te — Diá­lo­gos Kom Pimen­ta, de Edgar Pêra num regis­to que apro­xi­ma o homem e a sua obra ou, mais con­cre­ta­men­te, do Cen­tro Inter­na­ci­o­nal das Artes José de Gui­ma­rães, os pen­sa­men­tos e os espa­ços de Fer­nan­do Pes­soa e final­men­te a poe­sia de Alber­to Pimen­ta.

Num segun­do blo­co, os Cami­nhos apre­sen­tam um con­jun­to de obras cen­tra­das em tem­pos idos — pela sua com­po­nen­te artís­ti­ca ou mes­mo pela abor­da­gem os tem­pos pré-25 de Abril com as obras Entre Som­bras, de Ali­ce Eça Gui­ma­rães e Móni­ca San­tos, Nevo­ei­ro, de Dani­el Velo­so e ain­da A Casa, de Rui Simões.
Final­men­te, no últi­mo blo­co da com­pe­ti­ção ofi­ci­al, exi­bi­do no Tea­tro Aca­dé­mi­co Gil Vicen­te, a temá­ti­ca das obras apre­sen­ta­das pren­de-se com o indi­ví­duo e a comu­ni­da­de explo­ran­do momen­tos de um inte­ri­or pro­fun­do atra­vés da ani­ma­ção, a pers­pec­ti­va sin­gu­lar de alguém per­ten­cen­te ao Bair­ro do Alei­xo e, final­men­te um mem­bro de uma comu­ni­da­de pis­ca­tó­ra e a sua pró­xi­ma rela­ção com o rio e com a ter­ra nas obras Agou­ro, de Vas­co Sá e David Dou­tel, Rus­sa, de João Sala­vi­za e Ricar­do Alves Jr. e Ter­ra Fran­ca, de Leo­nor Teles.

Sai­ba mais na seguin­te liga­ção: Ante­vi­são do dia 26 de Novem­bro.