Tráfico de mulheres: motivo de reflexão no cinema português

No dia 25 de novem­bro, a XXIV edi­ção do fes­ti­val Cami­nhos do Cine­ma Por­tu­guês con­ti­nu­ou a sua mos­tra na sala do Tea­tro Aca­dé­mi­co Gil Vicen­te numa ses­são mar­can­te. A cur­ta-metra­gem “Ter­ra Ama­re­la”, de Dinis M. Cos­ta e o fil­me “Car­ga”, de Bru­no Gas­con, fize­ram suces­so gra­ças à crua rea­li­da­de que repre­sen­tam.

No Dia Inter­na­ci­o­nal para a Eli­mi­na­ção da Vio­lên­cia con­tra as Mulhe­res, a ses­são das 21h45  inci­diu sobre o tema do trá­fi­co huma­no, e con­tou com a pre­sen­ça do res­pe­ti­vo rea­li­za­dor da cur­ta Dinis M. Cos­ta e a pro­du­to­ra Caro­li­na Cas­tro Almei­da, bem como com a pre­sen­ça de Bru­no Gas­con, rea­li­za­dor do fil­me “Car­ga” e de Joa­na Domin­gues, pro­du­to­ra.

A cur­ta-metra­gem “inci­de mais sobre o pro­ces­so de tran­si­ção em si”, escla­re­ce Dinis M. Cos­ta, dei­xan­do que o espe­ta­dor ima­gi­ne e refli­ta sobre outros por­me­no­res ine­ren­tes ao trá­fi­co de pes­so­as.

O fil­me “Car­ga”, que “exi­giu uma pro­fun­da inves­ti­ga­ção sobre o tema”, admi­te o rea­li­za­dor Bru­no Gas­con, incor­po­ra, no seu elen­co, gran­des nomes do cine­ma por­tu­guês como Rita Blan­co, Vítor Nor­te e Ana Cris­ti­na Oli­vei­ra. Con­ta tam­bém com a estreia da mode­lo Sara Sam­paio como atriz, que desem­pe­nha o papel de Anna, uma das jovens tra­fi­ca­das.

Nes­ta ses­são, esti­ve­ram pre­sen­te, Miguel Bor­ges, Duar­te Gri­lo, Dmi­try Bogo­mo­lov e Rui Por­to Nunes, par­te do elen­co de “Car­ga”, que par­ti­lha­ram com o públi­co a sua expe­ri­ên­cia e dei­xa­ram ape­los. Dmi­try refe­re, no final da ses­são, que “não é difí­cil encon­trar esta rea­li­da­de no dia-a-dia” e reve­la que ele pró­prio viven­ci­ou uma situ­a­ção seme­lhan­te, sen­do que este fil­me lhe per­mi­tiu “recor­dar” o que sen­tiu.

Sai­ba mais na seguin­te liga­ção: Trá­fi­co de mulhe­res: moti­vo de refle­xão no cine­ma por­tu­guês.