Penúltimo dia de Festival com Elenco de todas as Idades

A um dia do fes­ti­val de cine­ma por­tu­guês ter­mi­nar, o TAGV (Tea­tro Aca­dé­mi­co Gil Vicen­te) rece­beu de bra­ços aber­tos, na ses­são das 17h30, mais duas cur­tas metra­gens e uma lon­ga, “Por Tua Tes­te­mu­nha”, de João Pupo, “Lua­na”, de Pedro Maga­no e “Maripha­sa”, de San­dro Agui­lar.  No final o elen­co e rea­li­za­dor de “Lua­na” con­ver­sou com o públi­co sobre o ambi­en­te nas fil­ma­gens e algu­mas curi­o­si­da­des.

A ses­são, que con­tou com deze­nas de pes­so­as, teve os seus holo­fo­tes vira­dos para “Lua­na”, ape­sar do pro­je­to de San­dro Agui­lar ser o mais espe­ra­do pelo públi­co.

Por Tua Tes­te­mu­nha” não ficou fora do olhar do públi­co, que pres­tou aten­ção a cada movi­men­to de Ivo Mou­ra, a per­so­na­gem prin­ci­pal da cur­ta. Aqui um homem tem um obje­ti­vo defi­ni­do, mas a natu­re­za aca­ba por des­viá-lo do seu cami­nho. À seme­lhan­ça de vári­as cur­tas que pas­sa­ram fes­ti­val, a obra de Pupo tam­bém tem um final ines­pe­ra­do que dei­xa o espe­ta­dor cho­ca­do.

Lua­na” e “Maripha­sa”,ape­sar de dife­ren­tes têm em comum o fac­to de nar­ra­rem a his­tó­ria de uma famí­lia. A pelí­cu­la de Pedro Maga­no, mos­tra ao públi­co uma rapa­ri­ga, Lua­na, que vive com o seu pai e avô, que brin­ca nas linhas fér­re­as e baloi­ços enquan­to espe­ra que o pai vol­te do tra­ba­lho, do outro lado da linha. Esta é uma cur­ta que toca nos sen­ti­men­tos de quem vê, por repre­sen­tar uma rea­li­da­de que, hoje em dia, pode ain­da acon­te­cer. A pobre­za e as con­di­ções em que a famí­lia vive mar­cam o espe­ta­dor, e se vis­to com aten­ção per­ce­be-se que há a ten­ta­ti­va de mos­trar algo para ser muda­do.…

Sai­ba mais na seguin­te liga­ção: Penúl­ti­mo dia de Fes­ti­val com Elen­co de todas as Ida­des.