SÃO JORGE EXIBIDO EM LOS ANGELES

p.p1 {mar­gin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; text-align: jus­tify; font: 12.0px ‘Hel­ve­ti­ca Neue’; color: #454545}p.p2 {mar­gin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; font: 12.0px ‘Hel­ve­ti­ca Neue’; color: #454545; min-height: 14.0px}span.s1 {text-deco­ra­ti­on: under­li­ne ; color: #e4af0a}As 28 obras vão ser exi­bi­das em ses­sões espe­ci­ais para mem­bros da Aca­de­mia de Artes e Ciên­ci­as Cine­ma­to­grá­fi­cas, jor­na­lis­tas, dis­tri­bui­do­res nor­te-ame­ri­ca­nos e com­pra­do­res inter­na­ci­o­nais, com o obje­ti­vo de des­ta­car e pro­mo­ver as pro­du­ções euro­pei­as.

SÃO JORGE
, fil­me por­tu­guês de Mar­co Mar­tins, inte­gra a lis­ta de obras a serem exi­bi­das nes­tas ses­sões espe­ci­ais. Recor­da­mos que o fil­me foi sele­ci­o­na­do pela Aca­de­mia Por­tu­gue­sa de Cine­ma para repre­sen­tar Por­tu­gal na lis­ta de can­di­da­tos a uma nome­a­ção para o Óscar de melhor fil­me estran­gei­ro.

Esta ini­ci­a­ti­va é finan­ci­a­da pelo Pro­gra­ma Media ? Euro­pa Cri­a­ti­va, da União Euro­peia,

IV MOSTRA DE CINEMAOLHARES SOBRE ANGOLA

p.p1 {mar­gin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; font: 12.0px ‘Hel­ve­ti­ca Neue’; color: #454545}span.s1 {text-deco­ra­ti­on: under­li­ne ; color: #e4af0a}Nos dias 25 e 26 de outu­bro esta­rá em des­ta­que o cine­ma ango­la­no como autor fun­da­men­tal da pre­ser­va­ção da memó­ria e cons­tru­tor de uma iden­ti­da­de.

A ideia de se rea­li­zar a mos­tra em Por­tu­gal é resul­ta­do de uma liga­ção incon­tor­ná­vel de carác­ter cul­tu­ral e his­tó­ri­co entre os dois paí­ses. Está con­fir­ma­da a pre­sen­ça da rea­li­za­do­ra e dire­to­ra de foto­gra­fia ango­la­na Kamy Lara nes­ta mos­tra, que con­ta com uma pro­gra­ma­ção inte­gral­men­te dedi­ca­da ao tra­ba­lho da pro­du­to­ra ango­la­na GERAÇÃO 80.

Con­fi­ra a pro­gra­ma­ção da mos­tra e os res­pe­ti­vos horá­ri­os:

Quar­ta-Fei­ra, 25 Outu­bro.
19h
A NOSSA GERAÇÃO, de Gre­tel Marín;

21h
INDEPENDÊNCIA, de Fra­di­que (Mário Bas­tos);

Quin­ta-Fei­ra, 26 Outu­bro.
19h
ALAMBAMENTO, de Mário Bas­tos;
A LUZ NO QUARTO

Estive em Lisboa e Lembrei de Você um Filme de José Barahona

Sér­gio, um modes­to fun­ci­o­nário da Com­pa­nhia Indus­tri­al de Cata­gua­ses, Minas Gerais (Bra­sil), sofre uma revi­ra­vol­ta na sua vida: a sua mulher enlou­que­ce, ele per­de o empre­go e a cus­tó­dia do filho. Deci­de emi­grar para Lis­boa, a con­se­lho dos ami­gos, em…

PORTUGAL COM TRÊS DISTINÇÕES NO CINEECO SEIA

O Cine­E­co ? Fes­ti­val Inter­na­ci­o­nal de Cine­ma Ambi­en­tal da Ser­ra da Estre­la e? uma ini­ci­a­ti­va do muni­cí­pio de Seia, que, inin­ter­rup­ta­men­te des­de 1995, tem con­ta­do com uma vas­ta sele­ção de fil­mes de temá­ti­ca ambi­en­tal.
O pro­gra­ma do fes­ti­val con­ta com exi­bi­ções de fil­mes, ses­sões espe­ci­ais, com­pe­ti­ções e ati­vi­da­des para­le­las. As com­pe­ti­ções divi­dem-se em vári­as cate­go­ri­as, des­ti­na­das a dife­ren­tes tipo­lo­gi­as de fil­mes, e os ven­ce­do­res foram anun­ci­a­dos no dia 21 de outu­bro, aquan­do do encer­ra­men­to do cer­ta­me. 
A ven­ce­do­ra do Gran­de Pré­mio Cine­E­co 2017 foi a lon­ga-metra­gem ita­li­a­na COROS DO ANOITECER, de Nika Sara­van­ja e Ales­san­dro D?Emilia.
Às obras por­tu­gue­sas que com­pe­ti­ram no fes­ti­val, foram atri­buí­das três dis­tin­ções, nome­a­da­men­te:
COMPETIÇÃO DE FILMES DE LÍNGUA PORTUGUESA Pré­mio Pano­ra­ma Regi­o­nal / Casa da Passarella:CRIADOS NA SERRA, de Maria Inês San­tos Mes­qui­ta;
Men­ção Honrosa:NYO VWETA NAFTA, de Ico

COPRODUÇÃO PORTUGUESA ESTREOU EM FRANÇA

p.p1 {mar­gin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; font: 12.0px ‘Hel­ve­ti­ca Neue’; color: #454545}p.p2 {mar­gin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; font: 12.0px ‘Hel­ve­ti­ca Neue’; color: #454545; min-height: 14.0px}span.s1 {text-deco­ra­ti­on: under­li­ne ; color: #e4af0a}TODOS OS SONHOS DO MUNDO, rea­li­za­do por Lau­ren­ce Fer­rei­ra Bar­bo­sa, tem pro­du­ção de Pau­lo Bran­co, que já pro­du­ziu mais de 300 fil­mes ao lon­go dos seus 40 anos de car­rei­ra, tra­ba­lhan­do com reco­nhe­ci­dos rea­li­za­do­res por­tu­gue­ses como Mano­el de Oli­vei­ra, João César Mon­tei­ro, João Cani­jo, João Bote­lho, Tere­sa Vil­la­ver­de e Pedro Cos­ta.

Este fil­me con­ta a his­tó­ria de Pamé­la, uma jovem que nas­ceu em Fran­ça, que se encon­tra divi­di­da entre o amor que a une aos seus pais e a Por­tu­gal.

A rea­li­za­do­ra con­ta já com um lon­go per­cur­so no pano­ra­ma do cine­ma fran­cês, ten­do rea­li­za­do vári­as obras pre­mi­a­das, como PARISFICELLE, ADÉLE FRELON EST-ELLE