Ciclo de Cinema Português – ESN

Decorrerá entre 4 de Abril e 30 de Maio o Ciclo de Cinema Português – ESN, um ciclo de cinema exclusivamente português, que terá como público-alvo os estudantes internacionais, permitindo assim que estes convivam com uma qualidade nacional muitas vezes esquecida mas que vai ganhando cada vez mais projecção internacional. Para este ciclo o CEC e a ESN reuniram 5 filmes, legendados em inglês, que muito bem ilustram as variadas vertentes dos nossos cineastas. As sessões terão lugar no Mini-auditório Salgado Zenha e têm início às 22h.

Para começar, dia 4 de Abril, será exibido o filme Rasganço, um filme de ficção que relata uma série de crimes na cidade de Coimbra e nalgumas das tradições académicas que nos são tão conhecidas.

No dia 18 de Abril poderá ser visto o filme Aquele querido mês de Agosto, um retrato do Portugal do interior com os seus populares, as suas festas e os seus amores.

Dia 2 de Maio conheceremos a história de Nuno, um homem que trabalha numa roulotte de bifanas, inventa uma máquina revolucionária para a indústria do calçado. Viveremos a obsessão deste homem por vender a máquina e o descuro deste pelas coisas essenciais da sua vida no filme Embargo.

A 16 de Maio Dot.com fará as delícias do público com a história de uma aldeia, Águas Altas, da sua guerra com uma multinacional espanhola por causa de um site e das repercussões mediáticas que esta situação caricata traz.

Para terminar, a 30 de Maio, será a vez de Quinze pontos na alma, um drama em que uma mulher se apaixona por um homem que tentava escapar à vida saltando de uma ponte. Uma paixão misteriosa que se transforma em obsessão e que faz esta mulher seguir um sonho, mesmo que isso signifique deixar tudo para trás.

Este ciclo será gratuito para alunos com cartão ESN e para os sócios do CEC. Para a restante comunidade terá o custo de 1€ por sessão.

“Meu Querido Mês de Agosto” exibido em Nova Iorque

O filme «Aquele Querido Mês de Agosto», do cineasta português Miguel Gomes, estreou este mês em Nova Iorque, depois de ter recebido vários elogios na imprensa nova-iorquina que o considerou um inovador “pós-documentário”. A 17 de Setembro será exibido em Boston, no Harvard Film Archives, juntamente com outros filmes de Miguel Gomes.

Na edição da semana passada da revista «The New Yorker», o crítico Richard Brody descreve a segunda longa-metragem de Miguel Gomes como “distintamente moderna, com um populismo sincero e clarividente”. “A sua paciência e atenção terna aos hábitos, tradições e saber misturam-se com uma sociologia da migração e da xenofobia e um olhar de gravurista para a paisagem circundante”, escreveu a «New Yorker».
Também o suplemento de artes do jornal «New York Times» dedicou uma página aos “pós-documentários” de Gomes e outros realizadores dentro do mesmo género, como C.W. Winter. “Aquele Querido Mês de Agosto é ao mesmo tempo um musical, um diário de bordo, um melodrama familiar quase incestuoso, um retrato etnográfico das tradições populares portuguesas e das suas próprias sua própria produção caótica”, refere o artigo de Dennis Lim.
A 17 de Setembro o filme será exibido mais a norte, em Boston, no Harvard Film Archives, juntamente com outros filmes de Miguel Gomes, como «A Cara Que Mereces» e «Entretanto». Para este ciclo na cinemateca de Harvard, chamado “A Imaginação Musical de Miguel Gomes”, está anunciada a presença do jovem realizador, nascido em 1972, que irá dar uma “master class”.
O director da cinemateca, Haden Guest, afirma que Gomes é “um dos realizadores mais brilhantemente inovadores dentro do género pós-documentário”.
“Nos últimos anos, Portugal reapareceu como um estimulante novo destino no cambiante e sempre imprevisível mapa do cinema mundial, um importante centro de algumas das correntes mais inovadoras dentro da realização contemporânea”, refere. Juntamente com Pedro Costa e João Pedro Rodrigues, adianta, estão a explorar a tradição portuguesa de “cinema radical”, como antes o fizeram Paulo Rocha ou João César Monteiro, que recentemente foi alvo de um ciclo em Boston em Nova Iorque.
Gomes foi crítico de cinema, antes de dirigir uma série de curtas-metragens. «Aquele Querido Mês de Agosto», rodado na aldeia de Arganil, combina a história ficcionada de uma família de músicos com um documentário sobre os festivais de verão de música popular e outros hábitos da região, e ainda com um relato das dificuldades de produção do filme.
“No coração de Portugal, serrano, o mês de Agosto multiplica os populares e as actividades. Regressam à terra, lançam foguetes, controlam fogos, cantam karaoke, atiram-se da ponte, caçam javalis, bebem cerveja, fazem filhos. Se o realizador e a equipa do filme tivessem ido directamente ao assunto, resistindo aos bailaricos, reduzir-se-ia a sinopse: «Aquele Querido Mês de Agosto acompanha as relações sentimentais entre pai, filha e o primo desta, músicos numa banda de baile»”, lê-se na sinopse do filme.

fonte