O Barão de Edgar Pêra

No ano de 1943, duran­te a II Guer­ra Mun­di­al, a pro­du­to­ra ame­ri­ca­na Vale­rie Lew­ton che­gou a Por­tu­gal e casou-se com um actor por­tu­guês que lhe deu a conhe­cer o con­to “O Barão”, escri­to por Bran­qui­nho da Fon­se­ca. Vale­rie viu nele a his­tó­ria per­fei­ta para um fil­me de ter­ror, come­çan­do, em segre­do, as fil­ma­gens numa fábri­ca do Bar­rei­ro.

Quan­do a PIDE sou­be da exis­tên­cia do fil­me, man­dou des­truir os nega­ti­vos. A equi­pa téc­ni­ca foi repa­tri­a­da e os acto­res por­tu­gue­ses depor­ta­dos para o Tar­ra­fal, na ilha de San­ti­a­go, Cabo Ver­de, onde mor­re­ram tor­tu­ra­dos na “fri­gi­dei­ra”.

Em 2005, foram des­co­ber­tas duas bobi­nas e o guião do fil­me nos arqui­vos do cine­clu­be do Bar­rei­ro. Atra­vés delas o rea­li­za­dor Edgar Pêra deci­diu fazer o “rema­ke” do fil­me ori­gi­nal, con­tan­do a his­tó­ria de um barão tirâ­ni­co que ater­ro­ri­za a popu­la­ção das mon­ta­nhas do Bar­ro­so, no Nor­te de Por­tu­gal.

É exi­bi­do no Mini-Audi­tó­rio Sal­ga­do Zenha no pró­xi­mo dia 31 de Outu­bro à meia-noi­te . A entra­da é livre.

12th INTERNATIONAL COLLOQUIUM ON NONPROFIT, SOCIAL, ARTS AND HERITAGE MARKETING

O Cen­tro de Estu­dos Cine­ma­to­grá­fi­cos tem apos­ta­do ao lon­go dos últi­mos dez anos na cres­cen­te valo­ri­za­ção qua­li­ta­ti­va dos even­tos que pro­mo­ve e na qua­li­fi­ca­ção dos seus qua­dros. Atra­vés dos Cami­nhos do Cine­ma Por­tu­guês e do Cine­ma­lo­gia afir­­mou-se uma peque­na orga­ni­za­ção,…

Privacy Preference Center

cec

.

.
.
.

Close your account?

Your account will be closed and all data will be permanently deleted and cannot be recovered. Are you sure?