SOBRE OLIVEIRA & BOTELHO

Manoel de Oliveira tem sido considerado pelos seus pares como um dos grandes Mestres do cinema. Aos seus 73, como jeito de registo cinematográfico da dor, memoriza a sua casa, o abandono do material e a perda da estabilidade para um novo ponto de partida existencial. Apesar de parecer algo totalmente nefasto se olhado superficialmente, representou um marco na sua carreira, a influência da busca pelo real que pode ser ficcionado, a referência e amor pela arte de forma transversal (não são raras as referências a Agustina, por exemplo) expressa pela película. Continuar a ler

Extensão Traça – Mostra de Filmes de Arquivos Familiares

O Centro de Estudos Cinematográficos em conjunto com o Arquivo Municipal de Lisboa promovem uma extensão da mostra de cinema familiar TRAÇA em Coimbra nos próximos dias 24, 31 de Maio e 7 de Junho.

A TRAÇA é uma Mostra de Filmes de Arquivos Familiares que tem como objectivo dar a conhecer os filmes amadores, caseiros, oriundos de arquivos familiares. São filmes misteriosos, muitos deles de origem incerta, muito puros e directos, que permitem acompanhar, através de histórias íntimas, a história da cidade ou do país.

Em rigor não podemos afirmar que nos recordamos de ter sido, ter feito, existido apenas mas sempre de ter sido de ter feito ou ter existido num determinado lugar. As memórias não funcionam independentemente das vivências, materiais e imateriais, havendo um contexto, um meio espacial, em cada uma das memórias. Pela câmera o cinema comunica uma forma de olhar o mundo e uma recriação da realidade vivida ou imaginada, que pela fenomenologia do lugar nos remete para a ideia da presença do corpo nesse espaço. As relações interpessoais ou familiares e as relações com os lugares são objectos presentes na nossa memória e são frutos de uma experiência colectiva a partir da qual colocamos o corpo no espaço. Da mesma forma o espaço responde ao imemorial do corpo pela forma como a arquitectura molda e condiciona a acção dos corpos, mas que sobretudo nos dão formas de segurar, ou relacionar, o espaço à memória.

Num conjunto de várias exibições temáticas pretendemos exibir e discutir, de que forma a partilha e a recriação de memórias tão pessoais quanto as memórias familiares são possíveis de partilhar através da sétima arte.

Em todas as suas edições a TRAÇA tem um formato diferente sem esquecer o seu carácter experimental, convidando, a cada ano, uma série de criadores a trabalhar e produzir objectos novos a partir das obras existentes no arquivo municipal de Lisboa | videoteca, bem como exibindo estes filmes no seu estado bruto.

Programa

24, 31 de Maio e 7 de Junho
Mini-Auditório Salgado Zenha
Entrada Livre


Apresentação do Ciclo por Luís Umbelino | 24 de Maio

[one_half]LuisUmbelino-460x563[/one_half] [one_half_last]Licenciado em Filosofia (1994), Mestre em Filosofia Contemporânea (2000) e Doutorado em Letras – Filosofia Moderna e Contemporânea (2008) pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, instituição onde é Professor Auxiliar. É investigador do Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra. Publica regularmente em Portugal e no estrangeiro sobre o horizonte da tradição reflexiva francesa, da fenomenologia francesa e da hermenêutica filosófica e interessa-se particularmente pelas temáticas da corporeidade e do espaço.[/one_half_last]
PIN000039-CatarinaAlvesCosta
[one_half] sem título | 8’ | 2015
REALIZAÇÃO: Catarina Alves Costa
MONTAGEM: Pedro Duarte
PRODUÇÃO: AML-Videoteca e Fitas na Rua/EGEAC [/one_half] [one_half_last]Catarina Alves Costa descobre, nos filmes de família que recebeu, inesperados espaços em branco, momentos que escapam à pose, acasos. Articula-os. Daí resulta um filme misterioso – justamente sem título – que explora com subtileza e curiosidade a abertura do sentido, característica destes filmes, que é também, em grande medida, a sua força. [/one_half_last]


PIN000047-EdgarPêra
[one_half] sem título | 11’ | 2015
REALIZAÇÃO: Edgar Pêra
PÓS- PRODUÇÃO 2D: Cláudio Vasques
No som, excerto do filme 25Abril, Uma Aventura Para a Democracya, de Edgar Pêra
PRODUÇÃO: AML- Videoteca e Fitas na Rua/EGEAC [/one_half] [one_half_last]Projeção nos filmes de família em bruto – praia, parque de campismo, passeios, Natais felizes, as ruas de Lisboa,murais espalhados pelo país – de imagens (também sonoras) da Revolução. Edgar Pêra contrapõe assim dois arquivos: um que documenta a vida familiar burguesa, outro que acompanha o momento, preciso, da mudança. [/one_half_last]
PIN000046-SusanaNobre
[one_half] sem título | 6’ | 2015
REALIZAÇÃO: Susana Nobre
Com a participação de Maria do Céu Nobre, Susana Nobre e Laura Nobre Afonso
Com excertos de Mère et fille, une correspondance (1913- 1962) de Françoise Dolto (edição Mercur de France)
PRODUÇÃO: AML-Videoteca e Fitas na Rua/ EGEAC [/one_half] [one_half_last]Pontuado e guiado por excertos de uma correspondência entre mãe e filha (de um livro de Françoise Dolto), o filme enche de imagens as palavras trocadas – ou vice-versa. Não há rememoração. Há sim uma troca entre presentes. E emoção na cadência dos intertítulos e no ritmo dos planos de natureza e vida familiar. [/one_half_last]


PIN000038-MargaridaCardoso
[one_half] Sempre Estivemos Aqui | 10’ | 2015
REALIZAÇÃO: Margarida Cardoso
No som, excertos de Lisbon Story (Wim Wenders, 1994), leitura de textos publicados no Diário
de Lisboa, excertos de Love Me, Please Love Me (música de Michel Polnareff, 1967)
PRODUÇÃO: AML-Videoteca e Fitas na Rua/ EGEAC [/one_half] [one_half_last]A leitura de excertos do Diário de Lisboa, com descrições de acontecimentos relacionados com o Zoo, traça a narrativa e o dispositivo: Margarida Cardoso associa datas e acontecimentos marcantes da história portuguesa, à história dos animais encarcerados, testemunhas silenciosas e esquecidas. A associação é aberta, livre, sugere perguntas mais do que propõe respostas. Quem são esses que sempre estiveram aqui? [/one_half_last]


PIN000037-JorgeCramez
[one_half]

O Prazer de Associar | 6’ | 2015
REALIZAÇÃO: Jorge Cramez e Diogo Allen
PRODUÇÃO: AML- Videoteca e Fitas na Rua/EGEAC [/one_half] [one_half_last]Perante os filmes de família da coleção do AML-Videoteca, Jorge Cramez enceta, com Diogo Allen, um exercício de memória e associação. O filme resulta desse exercício, e a cada plano ou cada sequência, os dois associam outras imagens e ideias, da história e da teoria do cinema. É assim um filme sobre isso: o cinema. [/one_half_last]


PIN000041-JoséFilipeCosta
[one_half] Save Project…. | 9’ | 2015
REALIZAÇÃO: José Filipe Costa Com a participação de Paula Diogo e Pedro Lacerda
PRODUÇÃO: AML-Videoteca e Fitas na Rua/EGEAC [/one_half] [one_half_last]Duas pessoas – um homem e uma mulher – em frente ao ecrã de computador. Imagens de origem desconhecida passam na linha de montagem. Os dois comentam o que vêem. Encontram recorrências e relações entre as pessoas que aparecem – estarão nas imagens ou na cabeça de quem vê? Save Project… é um filme sobre o aparecimento da ficção. [/one_half_last]
PIN000040-MargaridaLeitão
[one_half] Mulher Ideal | 9’ | 2015
REALIZAÇÃO: Margarida Leitão
MONTAGEM: Margarida Leitão
SONOPLASTIA: Margarida Leitão, Filipe Fernandes, Dina Ferreira
IMAGEM: João Braz
VOZ: Manuel Mozos e Margarida Leitão
MÚSICA: Filipe da Graça
PRODUÇÃO: AML-Videoteca e Fitas na Rua/EGEAC [/one_half] [one_half_last] Dos filmes de família que recebeu, Margarida Leitão decide acompanhar uma mulher. Das perguntas que faz resulta um filme simultaneamente emocional, onde a voz da realizadora se coloca em cena, tomando o lugar de alguém que olha, de dentro da família, para essa mulher; e um filme crítico, e estranho pela contemporaneidade do retrato que faz – as leituras, por Manuel Mozos, do artigo “Mulher Ideal” publicado na revista Menina e Moça em 1948 soam violentamente familiares. [/one_half_last]

Ciclo de Cinema “Paisagens Culturais”

O Centro de Estudos Cinematográficos e o Museu Monográfico de Conimbriga apresentam como programação cultural no âmbito do Dia Internacional dos Museus, este ano sob a diretriz “Museus e Paisagens Culturais”, um Ciclo de Cinema.

Através da “Sétima Arte” procuram-se redescobrir outras paisagens, outras estórias, centradas na cidade de Coimbra. Desde a obra prima “Capas Negras”, onde a fadista Amália Rodrigues revelou o seu talento como atriz, passando também pelas lutas académicas dos anos 1969 em “Futebol de Causas”. “O Rasganço”, “Quinto Império” e “O Arquitecto e a Cidade Velha” são outras das obras que permitirão fazer uma viagem pelo tempo, percorrer momentos históricos, observar panoramas e iconografias diversas, retratadas pelo olhar peculiar de realizadores portugueses.

Entre os dias 17 e 21 de Maio, a partir das 21h30, no Auditório do Museu Monográfico de Conimbriga. A Entrada é Gratuita e limitada a 90 lugares.

13133371_1050591545015629_7109119877648734496_n

Como complemento a este ciclo de cinema há a possibilidade de se jantar no Restaurante do Museu Monográfico de Conimbriga. A reserva para jantar assegura automaticamente lugar na sala.

Ementa (10 € por pessoa com tudo incluído):
Dia 17: Caldo verde, Churrasquinho de porco preto, Panna-cotta.
Dia 18: Sopa de espinafres, Lombinho recheado com ameixas, Bolo de chocolate com gelado.
Dia 19: Sopa do mar, Salmão confitado, Bolo de ananás com gelado.
Dia 20: Sopa de legumes, Tibornada de bacalhau, Torta de laranja.
Dia 21: Duo de cenoura e couve-flor, Perú recheado com alheira, Tiramisú

Mais informação através do 239 941 177 / conimbriga@dgpc.pt

“Do Livro ao Filme” — Ciclo de Cinema

Assim do livro ao filme não sinto que alguma coisa de fundamental se perdesse para a intenção com que o realizei – como sinto que alguma coisa de novo se criou para lá da arte da imagem em que se transfigura.
— Vergílio Ferreira

Podemos asseverar que o cinema também tem uma função de contar histórias, por muito que por vezes se incorra no erro de ficarmos presos a conceitos meramente técnicos e não estéticos. A adaptação de grandes obras da literatura a um argumento de obra cinematográfica sempre foi um dos objectivos dos nossos maiores realizadores. Apesar de Ingmar Bergman ter sempre afirmado que o Cinema e a Literatura não são convergentes e nada que ver, acreditamos que existem felizes casos que excepcionam esta falsa dicotomia. Caso clássico é o dos filmes do saudoso João César Monteiro, que não se tratando de adaptações, mostra-nos antes uma dança atrevida entre a escrita e a interpretação, fundindo-se e superando-se.

Mostrar cinema tem sido sempre o escopo do Centro de Estudos Cinematográficos da Associação Académica de Coimbra, mas acima de tudo trata-se de mostrar e divulgar cultura. Sendo Coimbra um espaço de partilha de informação, de crescimento individual de toda a índole, acreditamos que essa evolução tornar-se-ia lacunosa sem cultura cinematográfica. Cinema é estímulo; e deve manter-se vivo mesmo depois de ser visionado, tendo que “ser falado” como diz João Bérnard da Costa. Não achamos que a obra cinematográfica substitua, de todo, a literária – concordando aqui neste ponto com Bergman -, mas poderá ser um franco estímulo ao curioso, quando uma boa adaptação se trate. É impossível, no nosso ver, assistir a filmes como o ‘Ma Nuit Chez Maud’ sem sentir uma necessidade premente de ir às bibliotecas ler Pascal. O cinema é também este bicho que fica dentro do espectador, que o leva a conhecer em si uma sensibilidade cultural que por vezes lhe era desconhecida. Criticar o artista cinematográfico que se inspira em livros, é o mesmo que criticar o escritor que se inspira em obras cinematográficas ou na própria natureza. O artista consome o envolvente e isso inclui todas as outras manifestações artísticas.

Cartaz Ciclo de Cinema Do Livro ao Filme

Neste ciclo, queremos mostrar cinema que só foi possível graças à existência de uma grande peça literária como inspiração. Iniciamos o nosso percurso com a obra ‘A Princesa de Clèves’ (1678) de Madama La Fayette que inspirou dois grandes realizadores: Manoel de Oliveira, que em 1999 nos mostrou ‘A Carta’ e Cristophe Honoré que em 208 realiza ‘A Bela Junie’. Há aqui uma dupla inspiração que merece ser assistida e discutida, carregados de tensão emocional típicas da linguagem do século XVII, mas rectificada ao mundo contemporâneo da 7ª arte. Em nenhum dos filmes se trata de uma vulgar adaptação da obra escrita (como vários filmes de Hollywood habituaram o cinéfilo), o espectador não irá assistir a um filme histórico, antes a uma total convergência entre a linguagem clássica, que é sempre actual, sendo o cinema o modo desta se expressar.

Passando para o Irão, encontramos a obra do premiado Abbas Kiarostami com o seu ‘Shirin’ (2008) que vem desmentir a existência da dicotomia cinema e literatura. Na verdade, Kiarostami apresenta-nos uma adaptação de poema persa do século XII, mas recusando a história adaptada apreendendo-se antes com o impacto desta. Há um rasgo de catarse no cinema que Kiarostami agarra com a câmara pelas caras das variadas mulheres iranianas e que nega assim tanto o poema como o filme, centrando-se naquele que os capta.

Falar de cultura cinematográfica sem referência a F. W. Murnau é como discutir literatura sem uma breve referência que seja a Goethe. E é essa necessidade que é conseguida saciar com ‘Fausto’ (1926), onde Murnau nos mostra o melhor dos inícios do cinema com o melhor da adaptação da obra ao argumento, em que o Homem desafia Deus, em que o cinema continua a mostrar que irá perdurar.

Se falamos de clássicos, encerramos o ciclo com uma quinta sessão dedicada à cultura norte-americana. Em ‘Boneca de Luxo’, Blake Edwards mostra-nos a obra inspirada no livro de Truman Capote de título homónimo. Edwards marca não só o cinema como gerações de amantes por todo o mundo. Premente é mostrar exemplos em que aquele que leu o livro, consegue ser surpreendido mesmo assim com o desenrolar do argumento adoptado.

Quinta, 3 de Março:
A Bela Junie de Cristophe Honoré, 97′ (2008)

Quinta, 10 de Março:
Carta de Manoel de Oliveira, 107′ (1999).

Quinta, 17 de Março:
Shirin de Abbas Kiarostami, 92′ (2008)

Quinta, 24 de Março:
Fausto de F.W. Murnau, 126′ (1926)

Quinta, 31 de Março:
Boneca de Luxo de Blake Edwards, 115′ (1961)