Arquivo de etiquetas: cinema

Ciclo de Cinema Português – ESN

Decorrerá entre 4 de Abril e 30 de Maio o Ciclo de Cinema Português – ESN, um ciclo de cinema exclusivamente português, que terá como público-alvo os estudantes internacionais, permitindo assim que estes convivam com uma qualidade nacional muitas vezes esquecida mas que vai ganhando cada vez mais projecção internacional. Para este ciclo o CEC e a ESN reuniram 5 filmes, legendados em inglês, que muito bem ilustram as variadas vertentes dos nossos cineastas. As sessões terão lugar no Mini-auditório Salgado Zenha e têm início às 22h.

Para começar, dia 4 de Abril, será exibido o filme Rasganço, um filme de ficção que relata uma série de crimes na cidade de Coimbra e nalgumas das tradições académicas que nos são tão conhecidas.

No dia 18 de Abril poderá ser visto o filme Aquele querido mês de Agosto, um retrato do Portugal do interior com os seus populares, as suas festas e os seus amores.

Dia 2 de Maio conheceremos a história de Nuno, um homem que trabalha numa roulotte de bifanas, inventa uma máquina revolucionária para a indústria do calçado. Viveremos a obsessão deste homem por vender a máquina e o descuro deste pelas coisas essenciais da sua vida no filme Embargo.

A 16 de Maio Dot.com fará as delícias do público com a história de uma aldeia, Águas Altas, da sua guerra com uma multinacional espanhola por causa de um site e das repercussões mediáticas que esta situação caricata traz.

Para terminar, a 30 de Maio, será a vez de Quinze pontos na alma, um drama em que uma mulher se apaixona por um homem que tentava escapar à vida saltando de uma ponte. Uma paixão misteriosa que se transforma em obsessão e que faz esta mulher seguir um sonho, mesmo que isso signifique deixar tudo para trás.

Este ciclo será gratuito para alunos com cartão ESN e para os sócios do CEC. Para a restante comunidade terá o custo de 1€ por sessão.

Concurso Take Manoel de Oliveira

O Centro de Estudos Cinematográficos associa-se ao Concurso “Take Manoel de Oliveira” organizado pela Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual (APECV). Este concurso visa “expandir os conceitos associados à expressão plástica, sensibilizando, por um lado, os professores a respeito da inclusão do cinema nas suas estratégias de exploração dos conteúdos programáticos e, por outro, os alunos para a obra deste cinesta.”

O Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA) disponibilizou os fimes “O Estranho Caso de Angélica”, “Um Filme Falado”, “Singularidades de Uma Rapariga Loira” e “Cristóvão Colombo, O Enigma” do realizador Manoel de Oliveira. Os filmes já se encontram no Centro de Estudos Cinematográficos.

Os professores participantes no X Concurso de Expressão Plástica “Take Manoel de Oliveira” podem requisitar os filmes. Devem preencher a ficha de requisição (disponível no regulamento) dos filmes. Cada escola poderá ficar com os filmes durante cinco dias úteis.

Os professores participantes poderão entrar em contacto via email (cec@academica.pt), telefone (239 410 408) ou deslocar-se ao CEC/AAC durante todos os dias úteis das 18 às 20.

Regulamento: APECV – Regulamento Concurso Take Manoel de Oliveira

Cinemateca de Brooklyn abre ciclo dedicado ao novo cinema português

João Pedro Rodrigues
“Morrer Como um Homem”, do realizador João Pedro Rodrigues, vai ser exibido no ciclo em NY

A cinemateca da Brooklyn Academy of Music (BAM) volta a ser, a partir desta quinta-feira, a “casa” do cinema português em Nova Iorque, desta vez abrindo as portas a “novas vozes” da produção cinematográfica nacional.

Depois de mostras dedicadas desde 2010 a João César Monteiro, João Pedro Rodrigues e Pedro Costa, entre um e seis de Dezembro de 2011 o principal centro cultural de Brooklyn (e um dos maiores na região de Nova Iorque) vai mostrar “Som e Fúria: Cinema Português Recente”, complementando a iniciativa com um fim-de-semana dedicado ao Fado.

“Quisemos mostrar algumas das mais novas vozes do cinema português, como Sandro Aguilar, Miguel Gomes ou João Nicolau. Foi um pouco difícil não ter filmes de Pedro Costa ou Manoel de Oliveira, mas quisemos manter um espetáculo claro e conciso, não uma pesquisa ao longo de um mês”, disse à Lusa a diretora da Cinemateca do BAM, Florence Almozini.

Cinema com Fado
Para “Mistérios de Lisboa”, de Raul Ruiz, muito aclamado pela crítica norte-americana, o BAM “teve” de arranjar espaço no cartaz, mesmo que o falecido realizador chileno não se integrasse no critério de seleção de cineastas para esta mostra, adiantou Almozini, confessa adepta de cinema português.

A mostra decorre em paralelo a “Tudo Isto é Fado”, uma série de dois concertos na principal sala do BAM, onde, na sexta-feira, dia dois de Dezembro, Camané e uma “embaixada” de fadistas farão a sua estreia nos Estados Unidos, seguindo-se, no dia três de Dezembro, os mais recentes projectos musicais Amália Hoje e Deolinda.

Com curadoria de Almozini e de António Pedroso, a mostra de cinema abre esta quinta-feira com “O Barão”, de Edgar Pêra, prossegue no domingo com “Morrer Como um Homem”, de João Pedro Rodrigues, e “A Espada e a Rosa”, de João Nicolau.

Domingo, quatro de Dezembro, será a vez de “Mistérios de Lisboa” e, na segunda-feira, será exibido “Aquele Querido Mês de agosto”, de Miguel Gomes, também bem acolhido pela crítica norte-americana.

O último dia, seis de Dezembro, é dedicado a Sandro Aguilar, com um conjunto de curtas-metragens e o filme “A Zona”. Apesar de todos os filmes “acrescentarem algo” ao cartaz, Florence Almozini admitiu particular predilecção por “Aquele Querido Mês de agosto”. “Escolhia-o pela exuberância, pela alegria, pelo retrato completo de um mês de verão, ao mesmo tempo que mostra grandes qualidades cinemáticas”, adiantou a diretora da cinemateca do BAM.

“O cinema português que conheço não faz cedências e penso que é feito puramente por méritos artísticos, sem se virar para agradar ou apelar a um público mais generalista. E a cinematografia é sempre excecional”, adianta Almozini.

Mostrar trabalhos como o de João César Monteiro “pode ser um desafio”, mas o papel de uma cinemateca ou museu é “apresentar ao público novas formas de cinema, novos territórios, novos realizadores”, e aí começou a ligação ao cinema português, afirmou. Já a retrospectiva de João Pedro Rodrigues, no ano passado, que contou com a presença do realizador português, teve “grande resposta da crítica e uma comparência de espetadores muito boa”, sublinhou.

Fonte

 

 

Cinemalogia – Da Ideia ao Filme

... da ideia ao filmeMais de um século após a sua invenção, o cinema continua a ser a forma de expressão artística mais importante do mundo contemporâneo. A sua “linguagem” é hoje adoptada por toda uma série de meios de comunicação e expressão visual, influenciando não só os novos media, mas contagiando ou invadindo mesmo, também, outras formas de manifestação artística tradicionais, da literatura à pintura ou da dança à arquitectura.

De facto, apesar, ou por causa, de todos os desenvolvimentos técnicos e artísticos através dos quais se foi permanentemente (re)inventando, o cinema constitui, independentemente do suporte em que é gravado ou do formato em que é exibido, um dos meios de expressão artística mais complexos que nos é dado apreciar.

Arte-síntese, como já foi descrito, por incorporar técnicas e formas de expressão de todas as artes anteriores, o cinema ou “imagem em movimento”, constitui pois uma das manifestações artística mais expressivas, mas também das mais exigentes do ponto de vista criativo, precisamente, por exigir o domínio de um sem número de conhecimentos técnicos e artísticos, e o desenvolvimento de todo um conjunto de competências específicas.

Neste curso de iniciação à realização cinematográfica, pretende-se transmitir os principais conhecimentos e desenvolver as principais competências, quer do ponto de vista técnico, quer artístico, necessários à realização de um projecto cinematográfico, desde a concepção e desenvolvimento de uma ideia de ficção original à sua exibição numa sala de cinema, habilitando os formandos a produzirem uma curta-metragem, usando os conhecimentos de produção de vídeo digital conseguidos ao longo da formação.

Consulte as datas e as diversas acções de formação existentes:

Elementos Formais da Linguagem Cinematográfica | Formador Fausto Cruchinho | 19 Novembro 2011| 8 Horas

Equipas, Cargos Técnicos na Realização | Formador António Costa Valente | 20 Novembro 2011 | 8 Horas

Argumento | Formador Daniel Ribas | 26 e 27 Novembro 2011 | 16 Horas

Financiamento e Aspectos Legais | Formador Vítor Ferreira 2011 | 3 Dezembro | 8 Horas

Pré-Produção | Formador José Farinha | 18 e 19 Fevereiro 2012 | 16 Horas

Realização | Formador Telmo Martins | 25 e 26 Fevereiro 2012 | 16 Horas

Imagem | Formador Eduardo Morais | 3 e 4 de Março 2012 | 16 Horas

Som | Formador Vasco Pimentel | 10 de Março 2012 | 8 Horas

Direcção de Actores | Formador Artur Pinheiro | 11 Março 2012 | 8 horas

Montagem | Formador João Brás | 17 e 18 Março 2012 | 16 horas

Edição de Som e Imagem | Formador Tiago Santos | 24 e 25 Março | 16 horas

Promoção e Comercialização | Formador Sérgio Lopes | 31 Março | 8 horas

Projecção Cinematográfica | 1 Abril | 8 horas

Faça já a sua inscrição aqui.