Arquivo de etiquetas: português

Cinemateca de Brooklyn abre ciclo dedicado ao novo cinema português

João Pedro Rodrigues
“Mor­rer Como um Homem”, do rea­li­za­dor João Pedro Rodri­gues, vai ser exi­bi­do no ciclo em NY

A cine­ma­te­ca da Bro­o­klyn Aca­demy of Music (BAM) vol­ta a ser, a par­tir des­ta quin­ta-fei­ra, a “casa” do cine­ma por­tu­guês em Nova Ior­que, des­ta vez abrin­do as por­tas a “novas vozes” da pro­du­ção cine­ma­to­grá­fi­ca naci­o­nal.

Depois de mos­tras dedi­ca­das des­de 2010 a João César Mon­tei­ro, João Pedro Rodri­gues e Pedro Cos­ta, entre um e seis de Dezem­bro de 2011 o prin­ci­pal cen­tro cul­tu­ral de Bro­o­klyn (e um dos mai­o­res na região de Nova Ior­que) vai mos­trar “Som e Fúria: Cine­ma Por­tu­guês Recen­te”, com­ple­men­tan­do a ini­ci­a­ti­va com um fim-de-sema­na dedi­ca­do ao Fado.

Qui­se­mos mos­trar algu­mas das mais novas vozes do cine­ma por­tu­guês, como San­dro Agui­lar, Miguel Gomes ou João Nico­lau. Foi um pou­co difí­cil não ter fil­mes de Pedro Cos­ta ou Mano­el de Oli­vei­ra, mas qui­se­mos man­ter um espe­tá­cu­lo cla­ro e con­ci­so, não uma pes­qui­sa ao lon­go de um mês”, dis­se à Lusa a dire­to­ra da Cine­ma­te­ca do BAM, Flo­ren­ce Almo­zi­ni.

Cine­ma com Fado
Para “Mis­té­ri­os de Lis­boa”, de Raul Ruiz, mui­to acla­ma­do pela crí­ti­ca nor­te-ame­ri­ca­na, o BAM “teve” de arran­jar espa­ço no car­taz, mes­mo que o fale­ci­do rea­li­za­dor chi­le­no não se inte­gras­se no cri­té­rio de sele­ção de cine­as­tas para esta mos­tra, adi­an­tou Almo­zi­ni, con­fes­sa adep­ta de cine­ma por­tu­guês.

A mos­tra decor­re em para­le­lo a “Tudo Isto é Fado”, uma série de dois con­cer­tos na prin­ci­pal sala do BAM, onde, na sex­ta-fei­ra, dia dois de Dezem­bro, Cama­né e uma “embai­xa­da” de fadis­tas farão a sua estreia nos Esta­dos Uni­dos, seguin­do-se, no dia três de Dezem­bro, os mais recen­tes pro­jec­tos musi­cais Amá­lia Hoje e Deo­lin­da.

Com cura­do­ria de Almo­zi­ni e de Antó­nio Pedro­so, a mos­tra de cine­ma abre esta quin­ta-fei­ra com “O Barão”, de Edgar Pêra, pros­se­gue no domin­go com “Mor­rer Como um Homem”, de João Pedro Rodri­gues, e “A Espa­da e a Rosa”, de João Nico­lau.

Domin­go, qua­tro de Dezem­bro, será a vez de “Mis­té­ri­os de Lis­boa” e, na segun­da-fei­ra, será exi­bi­do “Aque­le Que­ri­do Mês de agos­to”, de Miguel Gomes, tam­bém bem aco­lhi­do pela crí­ti­ca nor­te-ame­ri­ca­na.

O últi­mo dia, seis de Dezem­bro, é dedi­ca­do a San­dro Agui­lar, com um con­jun­to de cur­tas-metra­gens e o fil­me “A Zona”. Ape­sar de todos os fil­mes “acres­cen­ta­rem algo” ao car­taz, Flo­ren­ce Almo­zi­ni admi­tiu par­ti­cu­lar pre­di­lec­ção por “Aque­le Que­ri­do Mês de agos­to”. “Esco­lhia-o pela exu­be­rân­cia, pela ale­gria, pelo retra­to com­ple­to de um mês de verão, ao mes­mo tem­po que mos­tra gran­des qua­li­da­des cine­má­ti­cas”, adi­an­tou a dire­to­ra da cine­ma­te­ca do BAM.

O cine­ma por­tu­guês que conhe­ço não faz cedên­ci­as e pen­so que é fei­to pura­men­te por méri­tos artís­ti­cos, sem se virar para agra­dar ou ape­lar a um públi­co mais gene­ra­lis­ta. E a cine­ma­to­gra­fia é sem­pre exce­ci­o­nal”, adi­an­ta Almo­zi­ni.

Mos­trar tra­ba­lhos como o de João César Mon­tei­ro “pode ser um desa­fio”, mas o papel de uma cine­ma­te­ca ou museu é “apre­sen­tar ao públi­co novas for­mas de cine­ma, novos ter­ri­tó­ri­os, novos rea­li­za­do­res”, e aí come­çou a liga­ção ao cine­ma por­tu­guês, afir­mou. Já a retros­pec­ti­va de João Pedro Rodri­gues, no ano pas­sa­do, que con­tou com a pre­sen­ça do rea­li­za­dor por­tu­guês, teve “gran­de res­pos­ta da crí­ti­ca e uma com­pa­rên­cia de espe­ta­do­res mui­to boa”, subli­nhou.

Fon­te

 

 

XVIII Caminhos do Cinema Português

De 9 a 17 Novem­bro 2011, o Cen­tro de Estu­dos Cine­ma­to­grá­fi­cos, em par­ce­ria com a Asso­ci­a­ção de Artes Cine­ma­to­grá­fi­cas de Coim­bra, apre­sen­ta a XVIII.ª Edi­ção do Fes­ti­val Cami­nhos do Cine­ma Por­tu­guês.

Toda a pro­du­ção anu­al por­tu­gue­sa terá uma retros­pec­ti­va, onde serão pre­mi­a­dos os melho­res inter­ve­ni­en­tes da séti­ma arte naci­o­nal na Sec­ção Com­pe­ti­ti­va.

As esco­las de cine­ma terão o seu pró­prio espa­ço de exi­bi­ção den­tro da sec­ção ensai­os visu­ais.

Os cami­nhos juni­o­res darão a conhe­cer o que de melhor se faz em cine­ma juve­nil a mais de 4000 cri­an­ças do con­ce­lho de Coim­bra.

Have­rá ain­da espa­ço para as sec­ções for­ma­ti­vas com um cur­so com­ple­to de cine­ma — CINEMALOGIA — onde todos os pas­sos para a rea­li­za­ção de um fil­me serão abor­da­dos pelos espe­ci­a­lis­tas naci­o­nais da séti­ma arte.

Não per­cas pita­da em www.caminhos.info. De 9 a 17 Novem­bro, Coim­bra é a capi­tal do cine­ma por­tu­guês.

Balanço de 2010 \ O Ano da Secção.

Fin­dan­do o ano é tem­po de efec­tu­ar balan­ços. O Cen­tro de Estu­dos Cine­ma­to­grá­fi­cos está nes­te momen­to a meio do man­da­do que nos últi­mos anos mais acti­vi­da­des rea­li­zou para­le­la­men­te ao gran­de even­to cul­tu­ral da Aca­de­mia Coim­brã que é o Fes­ti­val Cami­nhos do Cine­ma Por­tu­guês.

Pode não pare­cer, mas toda a pre­pa­ra­ção de um even­to com tal enver­ga­du­ra neces­si­ta de um ano intei­ro de tra­ba­lho, em que são defi­ni­das as par­ce­ri­as, as acti­vi­da­des, as iden­ti­da­des grá­fi­cas, os cola­bo­ra­dos, …, enfim todo o cami­nho que per­mi­tiu que este ano cer­ca de 9100 espec­ta­do­res tives­sem direi­to a todo o cine­ma Por­tu­guês ao lon­go de dez dias no Tea­tro Aca­dé­mi­co de Gil Vicen­te. Da Ani­ma­ção à Lon­ga Metra­gem, peque­nos e graú­dos aju­da­ram a fazer a mai­or fes­ta de Cine­ma Por­tu­guês de sem­pre.

Mui­tos foram os cami­nhos que per­mi­ti­ram que a sec­ção não fos­se do ano, mas sim que fos­se o ano da sec­ção se afir­mar nova­men­te como cen­tro pro­du­tor de audi­o­vi­su­al, quer ao lon­go do actu­al man­da­to, que o rela­tó­rio de acti­vi­da­des é aqui ane­xa­do, como no final do ante­ri­or man­da­to que em auto-ges­tão, pro­du­ziu um epi­só­dio pilo­to do pro­gra­ma de cine­ma “Os Sus­pei­tos do Cos­tu­me”, rea­li­zou a pós-pro­du­ção da média metra­gem de Rodri­go Seco Lopes e José Fer­nan­des.

Além da re-acti­va­ção da pro­du­ção além cami­nhos, foi tam­bém um ano em que se reac­ti­vou a for­ma­ção inter­na e fei­ta de for­ma mais con­tí­nua e menos inten­si­va. Nes­ta for­ma­ção em téc­ni­ca e pro­du­ção de vídeo foram abor­da­das temá­ti­cas téc­ni­cas, assim como exer­cí­ci­os prác­ti­cos de mon­ta­gem e pro­du­ção de vídeo.

Filme do desassossego, novo filme de João Botelho

O cine­as­ta por­tu­guês João Bote­lho estreia no pró­xi­mo dia 29 de Setem­bro, no Cen­tro Cul­tu­ral de Belém (CCB), o seu novo e mui­to aguar­da­do «Fil­me do Desas­sos­se­go», uma lei­tu­ra da obra de Ber­nar­do Soa­res.
Dadas as carac­te­rís­ti­cas intrín­se­cas da geni­al obra, é opi­nião cor­ren­te que se tra­ta de algo intrans­po­ní­vel para o cine­ma. João Bote­lho, num lon­go e mui­to pes­so­al pro­jec­to, ousou de for­ma pou­co con­ven­ci­o­nal apre­sen­tar ao públi­co por­tu­guês a sua visão.
O fil­me, que con­ta com as par­ti­ci­pa­ções de Cláu­dio Sil­va, Rita Blan­co, Ale­xan­dra Len­cas­tre, Miguel Gui­lher­me, Cata­ri­na Wal­lens­tein, Cae­ta­no Velo­so, Lula Pena e a fadis­ta Car­mi­nho; não será exi­bi­do, por exi­gên­cia do rea­li­za­dor, em qual­quer sala de cine­ma nos cen­tros comer­ci­ais. A estreia no Bra­sil ocor­re­rá na 34ª Mos­tra Inter­na­ci­o­nal de Cine­ma de São Pau­lo (Bra­sil) que ocor­re­rá entre 22 de Outu­bro e 4 de Novem­bro.

Fon­te

Cineasta português ganha mostra no Rio de Janeiro

Pedro CostaO Cen­tro Cul­tu­ral Ban­co do Bra­sil (CCBB) rea­li­za, entre os dias 11 e 23 de setem­bro, a mos­tra O Cine­ma de Pedro Cos­ta, uma retros­pec­ti­va sobre o mai­or nome do novo cine­ma por­tu­guês.

A mos­tra apre­sen­ta­rá os dez fil­mes – 7 lon­gas e 3 cur­tas – de Pedro Cos­ta e outros qua­tro fil­mes esco­lhi­dos pelo dire­tor por terem influ­en­ci­a­do sua obra, entre eles Gen­te da Sicí­lia, de Jean-Marie Straub e Daniè­le Huil­let, e Beauty #2, de Andy Warhol.

Serão exi­bi­dos os fil­mes: O San­gue, Casa de Lava, Ossos, No Quar­to de Van­da, Onde Jaz o teu Sor­ri­so?, 6 Baga­te­las, Juven­tu­de em Mar­cha, A Caça ao Coe­lho com Pau, Ne Chan­ge Rien, O Esta­do do Mun­do e Roflo­re­cer.

O dire­tor virá ao Rio de Janei­ro para a retros­pec­ti­va de sua obra e con­ver­sa­rá com o públi­co na sex­ta-fei­ra, 17 de setem­bros, às 20h, após a ses­são de Juven­tu­de em Mar­cha.

O Cine­ma de Pedro Cos­ta, que tem apoio do Ins­ti­tu­to Camões e cura­do­ria de Dani­el Ribei­ro Duar­te, tam­bém acon­te­ce­rá em São Pau­lo (de 1º a 12 de setem­bro) e Bra­sí­lia (14 a 26 de setem­bro).
Fon­te: Ado­ro Cine­ma — Asses­so­ria