O Caminho do “eu” numa geração virtual

Para fechar a Sele­ção Ensai­os, as novas tec­no­lo­gi­as jun­ta­ram-se à soli­dão e ao conhe­ci­men­to do “eu” às 17h30, na sala 6, dos Cine­ma NOS, no dia 1 de dezem­bro, pro­pon­do uma refle­xão que a atu­a­li­da­de exi­ge.

Sle­e­pless Nights…” de Maria Tei­xei­ra, “Irony” de Radheya Jegathe­va, “Bru­ma” de Sofia Cachim , “O Cha­péu” de Ale­xan­dra Allen, “Him&Her” de Natha­lie Lamb, “Home­sick” de Hila Einy, Yoav Aluf, Noy Bar e Beza­lel, “Zeit­geist” de Oleg Kauz, “A Swe­et Story” de Moritz Bie­ne, “Drow­ning”  de Pedro Har­res e “Soul­ke­e­per” de Théo Hoch foram as cur­tas que se reu­ni­ram no gran­de ecrã da sala de cine­ma. O con­tro­lo tec­no­ló­gi­co, o medo do des­co­nhe­ci­do e o dese­jo da apro­va­ção soci­al foram alguns dos temas cen­trais de uma tar­de reple­ta de vir­tu­a­li­da­de.

Fale­mos, ape­nas, de algu­mas das ani­ma­ções que, tal­vez pela abor­da­gem mais dire­ta, cri­a­ram momen­tos mais refle­xi­vos. “Irony” foi uma das cur­tas que mais impac­tou ao falar sobre o poder das tec­no­lo­gi­as, nos dias de hoje. Abor­dou temas como a ausên­cia de liber­da­de de que não temos noção quan­do nave­ga­mos no peque­no ecrã. Ide­a­li­za­mos uma tec­no­lo­gia que nos garan­te liber­da­de , liber­da­de essa que não é real, sen­do que, quan­do mer­gu­lha­mos nas con­sequên­ci­as da digi­ta­li­za­ção, com­pre­en­de­mos que vive­mos “pre­sos” aos ecrãs que, entre outros efei­tos, mol­dam a per­so­na­li­da­de de cada um de nós. O medo da rejei­ção soci­al tem-se apo­de­ra­do e con­di­ci­o­na­do as posi­ções que toma­mos quan­do esta­mos peran­te o imen­so uni­ver­so que, embo­ra não sai­ba­mos ao cer­to, des­co­nhe­ce­mos: a Inter­net.…

Sai­ba mais na seguin­te liga­ção: O Cami­nho do “eu” numa gera­ção vir­tu­al.