Caminhos para a promoção do cinema académico


Na tar­de de 28 de novem­bro teve lugar, no cine­ma NOS do Alma Shop­ping, a Sele­ção Ensai­os da XXIV edi­ção do fes­ti­val Cami­nhos do Cine­ma Por­tu­guês. Esta ses­são, que decor­reu des­de 24 de novem­bro a 1 de dezem­bro pro­mo­ve, tan­to a nível naci­o­nal como inter­na­ci­o­nal, obras pro­du­zi­das no seio de jovens cri­a­do­res de esco­las e aca­de­mi­as.

A músi­ca ale­gra quem espe­ra. Na sala 6 do cine­ma a pla­teia aguar­da, ansi­o­sa, pelo iní­cio de uma exi­bi­ção de cur­tas que pro­me­tem mexer com as emo­ções de cada um. A dor, o medo e o ter­ror ins­ta­lam-se na sala. Logo após, a tela pre­en­che-se de uma tona­li­da­de por­tu­gue­sa e som­bria. “A Cos­tu­rei­ri­nha”, uma cur­ta-metra­gem pro­du­zi­da no decur­so da 6.ª edi­ção do Cine­ma­lo­gia, trans­por­ta-nos a uma casa humil­de, porém, assom­bra­da por um espí­ri­to. É a par­tir daqui que o sus­to e a inqui­e­ta­ção se aco­mo­dam no públi­co, espe­ci­al­men­te devi­do aos sons meti­cu­lo­sa­men­te esco­lhi­dos e encai­xa­dos.

A tar­de con­ti­nua com “Flor do Gás”, uma obra visu­al­men­te ape­la­ti­va de João Cas­te­la, segui­da de “Oni­ku­ma”, uma cri­a­ção ita­li­a­na de Ales­sia Cec­chet, pro­vi­da de cená­ri­os géli­dos e ani­ma­ções sin­gu­la­res que se arti­cu­lam sim­bo­li­ca­men­te com o silên­cio de pala­vras pre­sen­te ao lon­go do tra­ba­lho.

Para com­ple­men­tar esta ses­são com um pou­co de humor, sur­ge “Wish­but­ton”, do rus­so Vla­di­mir Kvet­noy, um enre­do intri­gan­te acer­ca de um mecâ­ni­co que des­co­bre pos­suir um obje­to que pode con­ce­der dois dese­jos. No entan­to, per­ce­be no des­fe­cho que a sua mai­or von­ta­de não é rea­li­zá­vel.

Per­to do final, o ecrã apre­sen­ta ain­da “Casas Cai­a­das”, uma rea­li­za­ção de Kyle Sou­sa. Per­se­gui­da pelo pas­sa­do, a pro­ta­go­nis­ta – Maria – vive uma vida monó­to­na, cuja mudan­ça está depen­den­te da sua for­ça de von­ta­de. Por fim, para ter­mi­nar uma exi­bi­ção de for­tes emo­ções, “Cin­zas”, de Célia Fra­ga, trans­por­ta o públi­co para um ambi­en­te rural dos anos 40. A tra­ma facil­men­te envol­ve o espe­ta­dor, que sen­te e teme com a per­so­na­gem, ator­men­ta­da pela misé­ria, pela soli­dão e por uma enti­da­de mis­te­ri­o­sa que a assom­bra.

À saí­da, a pla­teia vota nos seus fil­mes favo­ri­tos. Han­na Fila­ta­va, estu­dan­te de Design e Mul­ti­mé­dia, que, assis­tiu, pela pri­mei­ra vez, a uma ses­são dos Cami­nhos, ele­geu, como seu fil­me favo­ri­to, “Wish­but­ton”, por con­si­de­rar ser “o mais inte­res­san­te”. De for­ma a apro­vei­tar a sema­na, pro­me­te vol­tar nos res­tan­tes dias do fes­ti­val.

Vanes­sa Novais

Sai­ba mais na seguin­te liga­ção: Cami­nhos para a pro­mo­ção do cine­ma aca­dé­mi­co.