Centro de Estudos Cinematográficos

RTP e Ukbar filmes apostam em dez telefilmes realizados mulheres

Base­a­dos em obras lite­rá­ri­as de auto­res por­tu­gue­ses, os fil­mes terão estreia na RTP, no final des­te ano.

publi­ci­da­de

Cinema Portugus

Baseados em obras literrias de autores portugueses, os filmes tero estreia na RTP, no final deste ano.

Dez mulheres portuguesas vão realizar outros tantos telefilmes, baseados em obras literárias, que serão rodados entre abril e agosto, em dez localidades do Centro de Portugal, e irão estrear-se na RTP, no final deste ano.

A pro­du­to­ra Ukbar Fil­mes, num comu­ni­ca­do hoje envi­a­do à agên­cia Lusa, reve­la que, para o pro­je­to “Con­ta­do por Mulhe­res”, desa­fi­ou “dez rea­li­za­do­ras de vári­as gera­ções, que pos­su­em um for­te sen­ti­do nar­ra­ti­vo, com uma gran­de expe­ri­ên­cia, ora na repre­sen­ta­ção ora na publi­ci­da­de” e que “têm mere­ci­do gran­de reco­nhe­ci­men­to a nível naci­o­nal e inter­na­ci­o­nal em vári­as áreas”. 

São elas as atri­zes Ana­be­la Morei­ra, Ana Cunha, Cris­ti­na Car­va­lhal, Dani­e­la Ruah e Maria João Luís, já com expe­ri­ên­cia de rea­li­za­ção, a pro­du­to­ra Sofia Tei­xei­ra Gomes e as rea­li­za­do­ras Dia­na Antu­nes, Fabi­a­na Tava­res, Lau­ra Sei­xas e Rita Barbosa. 

Os dez tele­fil­mes, que serão roda­dos entre abril e agos­to des­te ano, “em diver­sos locais da região Cen­tro, com o apoio das res­pe­ti­vas Câma­ras Muni­ci­pais” e com can­di­da­tu­ra “ao Fun­do do Turis­mo e do Cine­ma”, “che­gam ao horá­rio nobre da RTP1 no últi­mo tri­mes­tre de 2021”. 

“ ‘Con­ta­do por Mulhe­res’ é uma apos­ta em boas his­tó­ri­as, dos melho­res auto­res por­tu­gue­ses pro­cu­ran­do fazer cho­rar, rir, sen­tir dra­mas de épo­cas ou ir até aos sen­sí­veis desa­fi­os morais da atu­a­li­da­de. Mas, aci­ma de tudo, entre­ter com per­so­na­gens ins­pi­ra­do­ras”, refe­re a Ukbar Filmes. 

O tele­fil­me rea­li­za­do por Ana­be­la Morei­ra é ins­pi­ra­do em “Há de haver uma lei”, de Maria Archer, o de Ana Cunha, em “A trai­ção do padre Mar­ti­nho”, de Ber­nar­do San­ta­re­no, o de Cris­ti­na Car­va­lhal, em “Os armá­ri­os vazi­os”, de Maria Judi­te de Car­va­lho, o de Dani­e­la Ruah, em “Os vivos, o mor­to e o pei­xe fri­to”, de Ond­ja­ki, e do de Dia­na Antu­nes, em “O pio dos mochos”, de Soei­ro Perei­ra Gomes. 

Já os tele­fil­mes de Fabi­a­na Tava­res, Lau­ra Sei­xas, Maria João Luís, Rita Bar­bo­sa e Sofia Tei­xei­ra Gomes par­tem de, res­pe­ti­va­men­te, “Quan­do o dia­bo reza”, de Mário de Car­va­lho, “Ser­pen­ti­na”, de Mário Zam­bu­jal, “Alca­teia” e “Peque­nos Bur­gue­ses”, duas his­tó­ri­as de Car­los de Oli­vei­ra, e de “Vizi­nhas”, um con­to de Teo­lin­da Gersão. 

publi­ci­da­de

Os fil­mes serão roda­dos nos con­ce­lhos de Ovar, Oli­vei­ra do Hos­pi­tal, Guar­da, Alco­ba­ça, Can­ta­nhe­de, Miran­da do Cor­vo, Covi­lhã, Tor­res Vedras, Tomar e Fer­rei­ra do Zêzere. 

“Con­ta­do por Mulhe­res” é um pro­je­to da Ukbar Fil­mes e da RTP, em copro­du­ção com a pola­ca Kra­kow Film Klaster. 

A pro­du­to­ra por­tu­gue­sa des­ta­ca que “a recons­ti­tui­ção his­tó­ri­ca, com um gran­de valor de pro­du­ção, vai ser alvo de uma apos­ta em câma­ras 4K” e con­tar “com o recur­so à nova tec­no­lo­gia de ‘tar­ge­ting’, na cons­tru­ção dos efei­tos digi­tais, na cri­a­ção de cená­ri­os intei­ra­men­te digitais”. 

“Aqui vão ser uti­li­za­das téc­ni­cas de pro­du­ção digi­tal, onde a pers­pe­ti­va cri­a­rá ambi­en­tes mais ricos e assim com mais pos­si­bi­li­da­de de serem explo­rá­veis em gran­des ter­ri­tó­ri­os e/ou em pla­ta­for­mas de ‘stre­a­ming’ inter­na­ci­o­nais”, reve­la a Ukbar Filmes. 

Esta pro­du­to­ra acres­cen­ta que a par­ce­ria com a Kra­kow Film Klus­ter “vai per­mi­tir a uti­li­za­ção de téc­ni­cas de pro­du­ção digi­tal, ain­da iné­di­tas em Por­tu­gal, tal como o aces­so a um mer­ca­do de 80 milhões de pes­so­as, aumen­tan­do a noto­ri­e­da­de de Por­tu­gal nes­te ter­ri­tó­rio e projetando‑o como um des­ti­no a visi­tar e a investir”. 

por LUSA 
publi­ca­do 15:51 — 09 mar­ço ’21 

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cinema Portugus

Fon­te.

publi­ci­da­de