Fogo-Fátuo na abertura da 26ª edição Queer Lisboa

publi­ci­da­de

A nova lon­ga-metra­gem de Joa?o Pedro Rodri­gues, Fogo-Fa?tuo, que teve estreia mun­di­al na Quin­ze­na dos Rea­li­za­do­res do Fes­ti­val de Can­nes, e? o fil­me esco­lhi­do para abrir a edi­ção de 2022, que pres­ta home­na­gem ao camp do Gay Girls Riding Club.

Nes­ta comé­dia eró­ti­ca e musi­cal, “um jovem prín­ci­pe tro­ca a cor­te por um quar­tel de bom­bei­ros com a mis­são de liber­tar Por­tu­gal dos fogos que fla­ge­lam as suas ter­ras, aca­ban­do por se apai­xo­nar por um bom­bei­ro negro que o aco­lhe?, refe­re o comu­ni­ca­do do Festival. 

Para o encer­ra­men­to foi esco­lhi­do o docu­men­tá­rio “Esther New­ton Made Me Gay?, da rea­li­za­do­ra Jean Car­lo­mus­to, sobre a vida de Esther New­ton, “impor­tan­te antro­pó­lo­ga soci­al, ati­vis­ta lés­bi­ca, e pre­cur­so­ra dos Estu­dos de Géne­ro e da Teo­ria Que­er?, real­ça a nota da orga­ni­za­ção sobre este fil­me que retra­ta expe­ri­ên­ci­as LGBTQI+ des­de a déca­da de 1950 e “acom­pa­nhan­do o movi­men­to de liber­ta­ção das mulhe­res, o femi­nis­mo lés­bi­co, a cul­tu­ra drag e a construção […] 

fon­te: Fogo-Fátuo na aber­tu­ra da 26ª edi­ção Que­er Lisboa

publi­ci­da­de