avi mograbi — uma mosca na sopa

TheFirst54Years Still5 1024x427 1

É o sen­ti­men­to de res­pon­sa­bi­li­da­de que moti­va Avi Mogra­bi, cine­as­ta judeu isra­e­li­ta, ati­vis­ta e crí­ti­co da ocu­pa­ção dos Ter­ri­tó­ri­os Pales­ti­ni­a­nos no seu com­pro­mis­so com a defe­sa dos direi­tos huma­nos e com a jus­ti­ça soci­al. O Cen­tro de Estu­dos Cine­ma­to­grá­fi­cos da Asso­ci­a­ção Aca­dé­mi­ca de Coim­bra, com o apoio da Quei­ma das Fitas, apre­sen­ta um ciclo dedi­ca­do à obra do cine­as­ta, tes­te­mu­nho fun­da­men­tal da ocu­pa­ção isra­e­li­ta e da situ­a­ção hoje vivi­da na Pales­ti­na. Acon­te­ce ao lon­go do mês de Junho na Casa do Cine­ma de Coim­bra e no Audi­tó­rio Sal­ga­do Zenha, com pro­je­ções comen­ta­das e com a pre­sen­ça de Avi Mogra­bi, na últi­ma sessão.

O ciclo atra­ves­sa a obra do rea­li­za­dor, des­de “Happy Birth­day, Mr. Mogra­bi” (1999), exi­bi­do no dia 10 junho, que retra­ta as cele­bra­ções dos 50 anos do esta­do de Isra­el, a par com uma onde de des­pe­jos de pales­ti­ni­a­nos, situ­a­ção vivi­da pelo pró­prio, na pos­si­bi­li­da­de de per­der a sua casa; a “Once I Ente­red a Gar­den” (2012) que se movi­men­ta entre as iden­ti­da­des que flu­em naque­les ter­ri­tó­ri­os — ára­be e judia, ao mes­mo tem­po que as ques­ti­o­na na rela­ção com aque­les luga­res. Exi­bi­dos nos dias 17 e 24 junho, res­pe­ti­va­men­te, “Aven­ge but one of my two eyes” (2005) e “The First 54 Years: An Abbre­vi­a­ted Manu­al for Mili­tary Occu­pa­ti­on” (2021) são as obras que mer­gu­lham na rea­li­da­de da ocu­pa­ção mili­tar isra­e­li­ta em ter­ri­tó­rio pales­ti­ni­a­no, e na opres­são, humi­lha­ção e vio­lên­cia que esta ali impõe. 

Mais do que a prá­ti­ca do cine­ma, a Mogra­bi, inte­res­sa-lhe gerar deba­te públi­co que con­fron­te os dis­cur­sos hege­mó­ni­cos. Com a sua típi­ca iro­nia, con­si­de­ra-se uma “mos­ca na sopa”.

happy birthday mr mograbi

Happy Birth­day, Mr. Mogra­bi
1999 — Fran­ça, Isra­el — 77′

1998. Isra­el com­ple­ta cin­quen­ta anos. Mogra­bi é con­tra­ta­do pela tele­vi­são isra­e­li­ta para docu­men­tar inú­me­ras cele­bra­ções luxu­o­sas do ani­ver­sá­rio da nação. Ao mes­mo tem­po, um vete­ra­no pro­du­tor de tele­vi­são pales­ti­ni­a­no, Daoud Kutaub, contrata‑o para docu­men­tar uma onda de des­pe­jos de pales­ti­ni­a­nos. Entre­tan­to, Mogra­bi enfren­ta a pers­pec­ti­va de per­der a sua pró­pria casa. O cine­as­ta vira obses­si­va­men­te a câma­ra para si mes­mo enquan­to ten­ta deses­pe­ra­da­men­te dar sen­ti­do à sua vida emaranhada.

b72b1d e98ee01c5b2f3fa043e733fca23146f6

Once I Ente­red a Gar­den
2012 — Isra­el, Fran­ça, Suí­ça — 100′

Come­ça com um sonho sobre um encon­tro impos­sí­vel entre Avi Mogra­bi e seu avô, Ibrahim, fora de sua casa em Damas­co, em 1920. Que lín­gua fala­vam? O ára­be de Avi é rudi­men­tar, enquan­to Ibrahim ain­da não tinha apren­di­do hebrai­co. Para dar vida ao seu sonho, Avi recor­re ao seu pro­fes­sor de ára­be e bom ami­go, Ali Al-Azha­ri, e suge­re que façam um fil­me jun­tos “até o últi­mo toque”, como diz Ali. No esti­lo típi­co de Mogra­bi, o cine­as­ta entre­la­ça uma nar­ra­ti­va sobre cine­ma com o pró­prio fil­me, um fil­me sobre iden­ti­da­de que ques­ti­o­na os nos­sos pres­su­pos­tos bási­cos sobre o que nos tor­na quem somos.

b72b1d 2028b2a6a1c6c1b1f9bafd982c632aee

Aven­ge But One of My Two Eyes
2005 — Fran­ça, Isra­el — 104′

A par­tir dos mitos de San­são e Mas­sa­da, as gera­ções mais jovens de Isra­el apren­dem que a mor­te é pre­fe­rí­vel à domi­na­ção. Hoje, enquan­to se desen­ro­la a segun­da Inti­fa­da, os pales­ti­ni­a­nos são cons­tan­te­men­te humi­lha­dos pelo exér­ci­to isra­e­li­ta – os cam­po­ne­ses são impe­di­dos de arar os seus cam­pos, as cri­an­ças que regres­sam da esco­la ficam pre­sas em pos­tos de con­tro­lo duran­te horas, uma mulher ido­sa não con­se­gue nem regres­sar casa… Exaus­tas, estas pes­so­as expres­sam a sua rai­va e deses­pe­ro – tal como os Judeus fize­ram com os Roma­nos ou San­são com os Filis­teus. Luga­res, tem­pos e situ­a­ções reais pene­tram-se e inte­gram-se, apre­sen­tan­do a rea­li­da­de isra­e­li­ta tal como ela é: com­pli­ca­da, vio­len­ta, suicida.

ses­são comen­ta­da pela Sec­ção de Defe­sa dos Direi­tos Huma­nos da AAC

The First 54 Years

The First 54 Years: An Abbre­vi­a­ted Manu­al for Mili­tary Occu­pa­ti­on
2021 — Fran­ça, Fin­lân­dia, Ale­ma­nha, Isra­el — 108′

Um guia para a ocu­pa­ção mili­tar ten­do como exem­plo para­dig­má­ti­co a ocu­pa­ção isra­e­li­ta dos ter­ri­tó­ri­os pales­ti­ni­a­nos na Cis­jor­dâ­nia e na Fai­xa da Gaza. Tes­te­mu­nhos de sol­da­dos isra­e­li­tas dão uma pers­pe­ti­va da his­tó­ria da ocu­pa­ção e das suas roti­nas quotidianas.

com a pre­sen­ça do rea­li­za­dor Avi Mogra­bi e con­ver­sa com Tere­sa Almei­da Cravo

Ciclo rea­li­za­do no âmbi­to dos apoi­os a pro­jec­tos cul­tu­rais da Quei­ma das Fitas 2024.
Bilhe­tes sóci­os CEC 2€