Centro de Estudos Cinematográficos

Meu Castelo, Minha Casa” distinguido no festival MikroFaF — International Festival of DIY and independent Short Film, na Sérvia

Meu Cas­te­lo, Minha Casa? foi exi­bi­do na edi­ção de 2021 doMO­TELX — Fes­ti­val Inter­na­ci­o­nal de Cine­ma de Ter­ror de Lisboa…

vlcsnap 2021 11 12 00h45m49s576 720x405 1

Alcindo” vence Grande Prémio Caminhos do Cinema Português

vlcsnap 2021 11 12 00h45m49s576

Docu­men­tá­rio sobre a mor­te de Alcin­do Mon­tei­ro no Bair­ro Alto em 1995 con­quis­ta o mai­or galar­dão do Festival

Alcin­do”, de Miguel Dores, con­quis­tou o Gran­de Pré­mio Cami­nhos do Cine­ma Por­tu­guês. O docu­men­tá­rio, que abor­da o cri­me raci­al que cho­cou o país em 1995, foi esco­lhi­do pelo Júri com a jus­ti­fi­ca­ção de ser “um fil­me sig­ni­fi­ca­ti­vo, que atra­vés de um impres­si­o­nan­te tra­ba­lho de inves­ti­ga­ção com recur­sos limi­ta­dos, par­te de um acon­te­ci­men­to par­ti­cu­lar cujo enten­di­men­to pro­fun­do impli­ca refle­tir sobre o pas­sa­do, o pre­sen­te e o futu­ro do nos­so país”.Para além do Gran­de Pré­mio, o fil­me de Miguel Dores con­quis­tou o Pré­mio Uni­ver­si­da­de de Coim­bra – Melhor Documentário.

Entre os pre­mi­a­dos, des­ta­que para “A Meta­mor­fo­se dos Pás­sa­ros”, de Cata­ri­na Vas­con­ce­los, que con­quis­tou qua­tro galar­dões (Men­ção Hon­ro­sa da Fede­ra­ção Inter­na­ci­o­nal dos Cine­clu­bes e os Pré­mi­os de Melhor Rea­li­za­ção, Pré­mio FSS Reve­la­ção e Pré­mio do Públi­co – Cri­só­tu­bos), e a cur­­ta-metra­­gem “O Lobo Soli­tá­rio”, de Fili­pe Melo, dis­tin­gui­da com três pré­mi­os: Melhor Ban­da Sono­ra Ori­gi­nal, Pré­mio D. Qui­jo­te da Fede­ra­ção Inter­na­ci­o­nal dos Cine­clu­bes e Men­ção Hon­ro­sa do Júri de Impren­sa – CISION.

Sobre “A Meta­mor­fo­se dos Pás­sa­ros”, o Júri apon­ta “a for­ma for­ma como­ven­te e sen­sí­vel com que a rea­li­za­do­ra nos per­mi­te visu­a­li­zar as emo­ções da per­da”. Sobre “O Lobo Soli­tá­rio”, é des­ta­ca­da a ban­da sono­ra de Fili­pe Melo e Legen­dary Tiger Man como “um ele­men­to rít­mi­co fun­da­men­tal para o cres­cen­do emo­ci­o­nal do filme”.

Dia­na Neves Sil­va con­quis­tou o Pré­mio Ges­Mo de Melhor Atriz no fil­me “Luz de Pre­sen­ça”, enquan­to Pedro Lacer­da, pelo seu desem­pe­nho em “Ter­ra Nova” e “A Arte de Mor­rer Lon­ge”, con­quis­tou o galar­dão de Melhor Ator.

Pré­mi­os Técnicos

Melhor Som

Pedro Mari­nho, “O Nos­so Reino”

Pela sua inten­si­da­de e com­ple­xi­da­de que con­tri­bu­em de uma for­ma espe­ci­al para o envol­vi­men­to físi­co do espe­ta­dor no filme.

Melhor Rea­li­za­ção

Cata­ri­na Vas­con­ce­los, “A Meta­mor­fo­se dos Pássaros”

Pela for­ma como­ven­te e sen­sí­vel com que a rea­li­za­do­ra nos per­mi­te visu­a­li­zar as emo­ções da perda.

Melhor Mon­ta­gem

Tia­go Simões e Mar­ta Sou­sa Ribei­ro, “Simon Chama”

Pela capa­ci­da­de de con­den­sar vári­os anos de roda­gem em prol de uma nar­ra­ti­va coe­ren­te e cativante.

Melhor Guar­da Roupa

Joa­na Car­do­so, “A Arte de Mor­rer Longe”

A aten­ção à cor e aos deta­lhes são fun­da­men­tais para o dese­nho das personagens.

Melhor Foto­gra­fia

Miguel da San­ta e Tia­go Car­va­lho, “O Nos­so Reino”

Pela aten­ção às tex­tu­ras e ao tra­ba­lho hábil dos movi­men­tos de cama­ra, sub­til­men­te core­o­gra­fa­dos na penumbra.

Melhor Dire­ção de Arte

Fer­nan­da Car­luc­ci, “Clu­be dos Anjos”

A cons­tru­ção ceno­grá­fi­ca expõe a ver­da­de da per­so­na­gem prin­ci­pal e con­tri­bui de for­ma rea­lis­ta para o enten­di­men­to da narrativa.

Melhor Car­taz

Del­fim Ruas, “Simon Chama”

O autor, ao recor­rer a uma ico­no­gra­fia que nos reme­te ao cine­ma ame­ri­ca­no, anun­cia inte­li­gen­te­men­te o uni­ver­so cine­ma­to­grá­fi­co que o fil­me concretiza.

Melhor Carac­te­ri­za­ção

Olga José, “Som­bra”

A carac­te­ri­za­ção con­tri­bui de for­ma deter­mi­nan­te para uma cons­tru­ção rea­lis­ta e cre­dí­vel da nar­ra­ti­va, mar­can­do a pas­sa­gem do tem­po nas personagens.

Melhor Ban­da Sono­ra Original

Fili­pe Melo e Legen­dary Tiger­man, “O Lobo Solitário”

A memo­rá­vel con­tri­bui­ção da dupla tor­na a ban­da sono­ra num ele­men­to rít­mi­co fun­da­men­tal para o cres­cen­do emo­ci­o­nal do filme.

Melhor Argu­men­to Original

Dio­go Lima, “Os Últi­mos Dias de Ema­nu­el Raposo”

Pela for­ma como nos con­duz numa via­gem fic­ci­o­nal ao pas­sa­do, enquan­to se apro­pria de um ima­gi­ná­rio tele­vi­si­vo reco­nhe­cí­vel, este argu­men­to diver­­te-nos com um con­jun­to ana­cró­ni­co de refe­rên­ci­as e per­so­na­gens de época.

Melhor Argu­men­to Adaptado

Júlio Alves, “A Arte de Mor­rer Longe”

Pelo modo como pre­ser­va o uso da metá­fo­ra e a iro­nia que reco­nhe­ce­mos na obra de Mário de Carvalho.

Melhor Atriz Secundária

Rita Mar­tins, “Simon Chama”

Pela ampli­tu­de emo­ci­o­nal e pela sub­ti­le­za com que Rita Mar­tins retra­ta as dife­ren­tes dimen­sões da per­so­na­gem ao lon­go dos anos.

Melhor Atriz – GesMo

Dia­na Neves Sil­va, “Luz de Presença”

Pela entre­ga genuí­na ao fil­me, Dia­na Neves Sil­va traz-nos uma ina­cre­di­tá­vel for­ça que se alia a uma monu­men­tal presença.

Melhor Ator Secundário

Antó­nio Cape­lo, “Clu­be dos Anjos”

Pelo desem­pe­nho sena­to­ri­al com que desen­vol­ve a per­so­na­gem em tor­no da qual todo o fil­me gira.

Melhor Ator

Pedro Lacer­da, “Ter­ra Nova”, “A Arte de Mor­rer Longe”

Pelas suas duas exce­len­tes pres­ta­ções, que embo­ra mui­to dife­ren­tes, são igual­men­te mar­can­tes pela sua con­ten­ção no tra­ba­lho de ator.

Pré­mio Reve­la­ção – FSS

Cata­ri­na Vas­con­ce­los, “A Meta­mor­fo­se dos Pássaros”

A pri­mei­ra lon­ga metra­gem da rea­li­za­do­ra demons­tra já um for­te cariz auto­ral que nos leva a que­rer acom­pa­nhar o desen­vol­vi­men­to da sua lin­gua­gem poé­ti­ca e sensível.

Melhor Cur­­ta-Metra­­gem – União de Fre­gue­si­as de Coimbra

Dio­go Sal­ga­do, “Noi­te Turva”

Pela for­ma segu­ra como tra­ba­lha uma nar­ra­ti­va imi­nen­te­men­te visu­al, onde a qua­se ausên­cia de diá­lo­gos refor­ça a sua rique­za simbólica.

Melhor Ani­ma­ção – Turis­mo Cen­tro de Portugal

Cata­ri­na Roma­no, “Seja como for”

Atra­vés de uma sofis­ti­ca­ção sono­ra, ali­a­da a um tra­ço mui­to pró­prio, o fil­me apro­­xi­­ma-nos tocan­te­men­te ao tema da solidão.

Melhor Docu­men­tá­rio

Miguel Dores, “Alcin­do”

Par­tin­do de uma inves­ti­ga­ção trans­ver­sal em tor­no do assas­si­na­to de Alcin­do Mon­tei­ro, o rea­li­za­dor con­se­gue reme­ter o espe­ta­dor para um exer­cí­cio pro­fun­do de auto­a­ná­li­se enquan­to cida­dão, consciencializando‑o das ori­gens estru­tu­rais do racismo.

Melhor fic­ção

Dio­go Lima, “Os Últi­mos dias de Ema­nu­el Raposo”

Um fil­me de pro­du­ção atí­pi­ca, que se ins­cre­ve num géne­ro pou­co explo­ra­do em Por­tu­gal, fei­to com recur­sos limi­ta­dos e num local des­cen­tra­li­za­do, que retra­ta com autoi­ro­nia uma série de refe­rên­ci­as data­das da cul­tu­ra insular.

Men­ção Hon­ro­sa para melhor ficção

Arab Nas­ser e Tar­zan Nas­ser, “Gaza Mon Amour”

Um fil­me que vale a pena des­ta­car pela sua qua­li­da­de, ten­do, porém, uma redu­zi­da par­ti­ci­pa­ção por­tu­gue­sa, que impos­si­bi­li­tou que fos­se con­si­de­ra­do para outros prémios.

Gran­de pré­mio do festival 

Miguel Dores, “Alcin­do”

Um fil­me sig­ni­fi­ca­ti­vo, que atra­vés de um impres­si­o­nan­te tra­ba­lho de inves­ti­ga­ção com recur­sos limi­ta­dos, par­te de um acon­te­ci­men­to par­ti­cu­lar cujo enten­di­men­to pro­fun­do impli­ca refle­tir sobre o pas­sa­do, o pre­sen­te e o futu­ro do nos­so país.

realizador 640x800 1

Três mulheres vencem Prémios da Seleção Ensaios – A Previdência Portuguesa

Estu­dan­tes de Uni­ver­si­da­des de Por­tu­gal, Ingla­ter­ra e Ale­ma­nha dis­tin­gui­das pelos seus fil­mes em con­tex­to aca­dé­mi­co Cata­ri­na Hen­ri­ques, da Uni­ver­si­da­de da…

a nossa terra o nosso altar doclisboa 3 720x540 1

A Nossa Terra, o Nosso Altar” vence Prémio Queima das Fitas de Coimbra – Melhor Filme Outros Olhares

Docu­men­tá­rio sobre o Bair­ro do Alei­xo, no Por­to, vale o pré­mio ao rea­li­za­dor André Gui­o­mar O fil­me “A Nos­sa Terra,…