Centro de Estudos Cinematográficos

Três Realizadoras Portuguesas

São pou­cos os seto­res em que a dis­tri­bui­ção labo­ral é igual entre os dois géne­ros: o cine­ma ain­da não é a excep­ção.. Em “Mulhe­res e/no Cine­ma” cele­­bra-se uma pro­gra­ma­ção onde as mulhe­res se des­ta­ca­ram por uma ati­tu­de con­tra a mas­cu­li­ni­za­ção dos car­gos no cine­ma, cri­an­do fan­tás­ti­cas obras cine­ma­to­grá­fi­cas de refle­xão.

Dia de Fes­ta, Ruby e Cães que Ladram aos Pás­sa­ros reve­lam três visões no femi­ni­no sobre o futu­ro e a juven­tu­de e repre­sen­tam o que melhor se faz no cine­ma por­tu­guês con­tem­po­râ­neo. Esta é uma opor­tu­ni­da­de para que públi­co por­tu­guês pos­sa conhe­cer três fil­mes que já via­ja­ram pelo mun­do e que ago­ra estrei­am jun­tos em Por­tu­gal.

As exi­bi­ções des­tas ses­sões acon­te­cem a 5 e 6 de Agos­to às 21h45 no Mini-Audi­­tó­­rio Sal­ga­do Zenha, em Coim­bra.

São pou­cos os seto­res em que a dis­tri­bui­ção labo­ral é igual entre os dois géne­ros: o cine­ma ain­da não é a excep­ção.. Em “Mulhe­res e/no Cine­ma” cele­­bra-se uma pro­gra­ma­ção onde as mulhe­res se des­ta­ca­ram por uma ati­tu­de con­tra a mas­cu­li­ni­za­ção dos car­gos no cine­ma, cri­an­do fan­tás­ti­cas obras cine­ma­to­grá­fi­cas de refle­xão.

Dia de Fes­ta, Ruby e Cães que Ladram aos Pás­sa­ros reve­lam três visões no femi­ni­no sobre o futu­ro e a juven­tu­de e repre­sen­tam o que melhor se faz no cine­ma por­tu­guês con­tem­po­râ­neo. Esta é uma opor­tu­ni­da­de para que públi­co por­tu­guês pos­sa conhe­cer três fil­mes que já via­ja­ram pelo mun­do e que ago­ra estrei­am jun­tos em Por­tu­gal.

As exi­bi­ções des­tas ses­sões acon­te­cem a 5 e 6 de Agos­to às 21h45 no Mini-Audi­­tó­­rio Sal­ga­do Zenha, em Coim­bra.

No, de Pablo Larrain

No, de Pablo Larraín

O Ciclo “Cine­ma, Acti­vis­mo e Soci­e­da­de” apre­sen­ta na pró­xi­ma quar­­ta-fei­­ra, 22 de julho, às 21h45 no mini-audi­­tó­­rio Sal­ga­do Zenha, o fil­me “No” de Pablo Lar­raín.

O Ciclo “Cine­ma, Acti­vis­mo e Soci­e­da­de” apre­sen­ta na pró­xi­ma quar­­ta-fei­­ra, 22 de julho, às 21h45 no mini-audi­­tó­­rio Sal­ga­do Zenha, o fil­me “No” de Pablo Lar­raín.

Ciclo de Cinema Alemão Contemporâneo

As ses­sões do Cen­tro de Estu­dos Cine­ma­to­grá­fi­cos reto­mam a 24 de Junho, com um ciclo de cine­ma pre­mi­a­do alemão.As ses­sões terão lota­ção limi­ta­da, para que se res­pei­tem as nor­mais sani­tá­ri­as esta­be­le­ci­das pela DGS e pela Direc­ção Geral da AAC.

O Cen­tro de Estu­dos Cine­ma­to­grá­fi­cos e o Goethe Ins­ti­tut cola­bo­ram para apre­sen­tar um cur­to ciclo de cine­ma con­tem­po­râ­neo ale­mão. A cine­ma­to­gra­fia ale­mã é e foi, des­de as ori­gens do cine­ma, uma das mais mar­can­tes e influ­en­ci­a­do­ra no pano­ra­ma glo­bal. Nomes como Fritz Lang, Rei­ner Wer­ner Fas­s­bin­der, Wer­ner Her­zog ou Wim Wen­ders mar­ca­ram – e con­ti­nu­am a mar­car – as suas épo­cas e deram-nos fil­mes com impac­to mun­di­al. Ape­sar de, com notá­veis excep­ções, o cine­ma ale­mão ter per­di­do algum ful­gor comer­ci­al nas últi­mas déca­das, tal não sig­ni­fi­ca que tenha per­di­do a urgên­cia e a capa­ci­da­de de cri­ar obras excep­ci­o­nal­men­te ricas. Este ciclo pre­ten­de dar um vis­lum­bre da pro­du­ção ale­mã dos últi­mos 6 anos, da sua ampli­tu­de e da sua rique­za esté­ti­ca e nar­ra­ti­va.

JUN, 24, 21h45
Vic­to­ria, de Sebas­ti­an Schip­per

JUL, 1, 21h45
The Dre­a­med Path, de Ange­la Scha­ne­lec

JUL, 8, 21h45
Supe­re­gos, de Ben­ja­min Hei­sen­berg

Ses­sões no Mini-Audi­­tó­­rio Sal­ga­do Zenha. Lota­ção Redu­zi­da e com pré-reser­­va.

As ses­sões do Cen­tro de Estu­dos Cine­ma­to­grá­fi­cos reto­mam a 24 de Junho às 21h45, com um ciclo de cine­ma pre­mi­a­do alemão.As ses­sões, a decor­rer no Mini-Audi­­tó­­rio Sal­ga­do Zenha, terão lota­ção limi­ta­da, para que se res­pei­tem as nor­mais sani­tá­ri­as esta­be­le­ci­das pela DGS e pela Direc­ção Geral da AAC.

O Cen­tro de Estu­dos Cine­ma­to­grá­fi­cos e o Goethe Ins­ti­tut – Por­tu­gal cola­bo­ram para apre­sen­tar um cur­to ciclo de cine­ma con­tem­po­râ­neo ale­mão. A cine­ma­to­gra­fia ale­mã é e foi, des­de as ori­gens do cine­ma, uma das mais mar­can­tes e influ­en­ci­a­do­ra no pano­ra­ma glo­bal. Nomes como Fritz Lang, Rei­ner Wer­ner Fas­s­bin­der, Wer­ner Her­zog ou Wim Wen­ders mar­ca­ram – e con­ti­nu­am a mar­car – as suas épo­cas e deram-nos fil­mes com impac­to mun­di­al. Ape­sar de, com notá­veis excep­ções, o cine­ma ale­mão ter per­di­do algum ful­gor comer­ci­al nas últi­mas déca­das, tal não sig­ni­fi­ca que tenha per­di­do a urgên­cia e a capa­ci­da­de de cri­ar obras excep­ci­o­nal­men­te ricas. Este ciclo pre­ten­de dar um vis­lum­bre da pro­du­ção ale­mã dos últi­mos 6 anos, da sua ampli­tu­de e da sua rique­za esté­ti­ca e nar­ra­ti­va.

Cine-Conversas em Maio

Em maio, em par­ce­ria com o Cine­clu­be de Faro, assi­na­la­mos o mês do públi­co. O dia 10 de Maio tem sido inter­na­ci­o­nal­men­te cele­bra­do sob a desig­na­ção de  ‘dia do públi­co’ com base em acon­te­ci­men­tos his­tó­ri­cos (a revol­ta de Astor Pla­ce, New York 1849) e em deli­be­ra­ções nos encon­tros da Fede­ra­ção Inter­na­ci­o­nal de Cine­clu­bes (Car­ta dos Direi­tos do Públi­co, Tabor 1987; O Públi­co somos Nós, Méxi­co 2008; O dia do Públi­co, Bra­sil 2010).

Vive­mos tem­pos de dis­tan­ci­a­men­to físi­co, de tele­tra­ba­lho (imer­so em vide­o­con­fe­rên­ci­as), de reco­lhi­men­to éti­co, de repo­si­ci­o­na­men­tos vári­os face ao ambi­en­te e à huma­ni­da­de, de con­ten­ção soli­dá­ria… E por­que todos somos públi­co que ama o cine­ma sem pre­ten­der­mos ser ins­tru­men­to de comu­ni­ca­ção mas da orga­ni­za­ção crí­ti­ca e cri­a­ti­va.

Gra­ças à gene­ro­si­da­de dos auto­res, dos cine­clu­bes e do arqui­vos que dis­po­ni­bi­li­zam e pro­mo­vem gra­tui­ta­men­te as obras cine­ma­to­grá­fi­cas por todo o mun­do. Assim foi pro­pos­to o ciclo “As Esco­lhas do Públi­co”!

Esta pro­gra­ma­ção é uma ini­ci­a­ti­va em rede do Cine­clu­be de Faro e con­ta com a par­ti­ci­pa­ção por­tu­gue­sa  do Cine­clu­be de Tomar, do Cen­tro de Estu­dos Cine­ma­to­grá­fi­cos — Cine­clu­be Uni­ver­si­tá­rio de Coim­bra, Cine­clu­be de Gui­ma­rães, Cine­clu­be de Tor­res Novas, Cine­clu­be da Bair­ra­da e Cine­clu­be de Vila do Con­de.

Culturas Fílmicas a partir de casa

Cine­clu­bis­mo e Cul­tu­ras Fíl­mi­cas a par­tir de casa como res­pos­ta sau­dá­vel aos tem­pos de con­ten­ção

O Cen­tro de Estu­dos Cine­ma­to­grá­fi­cos asso­­­cia-se à Comis­são de For­ma­ção do Cine­clu­be de Faro par­ti­ci­pan­do nas ações à dis­tân­cia de refle­xão e for­ma­ção crí­ti­ca sobre fil­mes da his­tó­ria do cine­ma para desen­vol­vi­men­to pes­so­al da cine­fi­lia atra­vés de encon­tros vir­tu­ais para dis­cus­são em gran­de gru­po.

Com base no pro­gra­ma ‘A Esco­la Vai ao Cine­clu­be’, os estu­dan­tes de Cul­tu­ras Fíl­mi­cas, com o apoio do Prof. Dou­tor Fran­cis­co Gil, (ESEC-UAlg) desen­vol­ve­ram um ciclo para aná­li­se e deba­te sobre o que con­si­de­ram essen­ci­al explo­rar com a comu­ni­da­de aca­dé­mi­ca e ciné­fi­la.

Estes con­tac­tos sobre o arqui­vo, as cole­ções, a his­tó­ria, a mis­são e a ati­vi­da­de cine­clu­bis­ta reve­­­la­­­ram-se pro­fí­cu­os para o desen­vol­vi­men­to crí­ti­co e cri­a­ti­vo dos estu­dan­tes nes­te per­cur­so em que ago­ra pro­por­ci­o­nam as suas esco­lhas fun­da­men­tais.

Os nos­sos asso­ci­a­dos pode­rão se ins­cre­ver gra­tui­ta­men­te nas ações, deven­do se pre­pa­rar com ante­ce­dên­cia sobre a pro­gra­ma­ção.

Cine­clu­bis­mo e Cul­tu­ras Fíl­mi­cas a par­tir de casa como res­pos­ta sau­dá­vel aos tem­pos de con­ten­ção

O Cen­tro de Estu­dos Cine­ma­to­grá­fi­cos asso­­cia-se à Comis­são de For­ma­ção do Cine­clu­be de Faro par­ti­ci­pan­do nas ações à dis­tân­cia de refle­xão e for­ma­ção crí­ti­ca sobre fil­mes da his­tó­ria do cine­ma para desen­vol­vi­men­to pes­so­al da cine­fi­lia atra­vés de encon­tros vir­tu­ais para dis­cus­são em gran­de gru­po.

Com base no pro­gra­ma ‘A Esco­la Vai ao Cine­clu­be’, os estu­dan­tes de Cul­tu­ras Fíl­mi­cas, com o apoio do Prof. Dou­tor Fran­cis­co Gil, (ESEC-UAlg) desen­vol­ve­ram um ciclo para aná­li­se e deba­te sobre o que con­si­de­ram essen­ci­al explo­rar com a comu­ni­da­de aca­dé­mi­ca e ciné­fi­la.

Estes con­tac­tos sobre o arqui­vo, as cole­ções, a his­tó­ria, a mis­são e a ati­vi­da­de cine­clu­bis­ta reve­­la­­ram-se pro­fí­cu­os para o desen­vol­vi­men­to crí­ti­co e cri­a­ti­vo dos estu­dan­tes nes­te per­cur­so em que ago­ra pro­por­ci­o­nam as suas esco­lhas fun­da­men­tais.

Os nos­sos asso­ci­a­dos pode­rão se ins­cre­ver gra­tui­ta­men­te nas ações, deven­do se pre­pa­rar com ante­ce­dên­cia sobre a pro­gra­ma­ção.

Sinónimos de Navad Lapid

Quar­­ta-fei­­ra, 11 de mar­ço, o Cen­tro de Estu­dos Cine­ma­to­grá­fi­cos irá apre­sen­tar o fil­me Sinó­ni­mos, de Navad Lapid no Mini-audi­­tó­­rio Sal­ga­do Senha. Este fil­me retra­ta a his­tó­ria de um jovem isra­e­li­ta que che­ga a Paris na espe­ran­ça que os fran­ce­ses o sal­vem da lou­cu­ra do seu país. Deter­mi­na­do a extin­guir suas ori­gens, aban­do­na a lín­gua hebrai­ca e esfor­­ça-se para encon­trar uma nova iden­ti­da­de.

Quar­­ta-fei­­ra, 11 de mar­ço, o Cen­tro de Estu­dos Cine­ma­to­grá­fi­cos irá apre­sen­tar o fil­me Sinó­ni­mos, de Navad Lapid no Mini-audi­­tó­­rio Sal­ga­do Senha. Este fil­me retra­ta a his­tó­ria de um jovem isra­e­li­ta que che­ga a Paris na espe­ran­ça que os fran­ce­ses o sal­vem da lou­cu­ra do seu país. Deter­mi­na­do a extin­guir suas ori­gens, aban­do­na a lín­gua hebrai­ca e esfor­­ça-se para encon­trar uma nova iden­ti­da­de.

Cinema Português: Uma História de Ousadia

Cele­bran­do a 22.ª Sema­na Cul­tu­ral e os 730 anos da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra, o Cen­tro de Estu­dos Cine­ma­to­grá­fi­cos asso­cia à sua pro­gra­ma­ção anu­al um con­jun­to de cur­­tas-metra­­gens que demons­tram o ousa­do cres­ci­men­to artís­ti­co do cine­ma naci­o­nal, cri­an­do momen­tos de refle­xão e dis­cus­são em sala. A temá­ti­ca “Ousadia(s)” pau­ta­rá todas as ses­sões pro­gra­ma­das em Mar­ço, incluin­do pro­jec­ção de fil­mes naci­o­nais que mos­tram a resi­li­ên­cia de fazer cine­ma em Por­tu­gal.

A 30 de Mar­ço, como for­ma de súmu­la da acti­vi­da­de, irá ser rea­li­za­da uma mesa redon­da, onde pro­fis­si­o­nais na área do audi­o­vi­su­al e artís­ti­co fala­rão sobre as pos­si­bi­li­da­des de saí­das pro­fis­si­o­nais na área. Dedi­ca­da a todos os estu­dan­tes da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra, a entra­da para estes e asso­ci­a­dos, será gra­tui­ta em toda a acti­vi­da­de.

Cele­bran­do a 22.ª Sema­na Cul­tu­ral e os 730 anos da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra, o Cen­tro de Estu­dos Cine­ma­to­grá­fi­cos asso­cia à sua pro­gra­ma­ção anu­al um con­jun­to de cur­­tas-metra­­gens que demons­tram o ousa­do cres­ci­men­to artís­ti­co do cine­ma naci­o­nal, cri­an­do momen­tos de refle­xão e dis­cus­são em sala. A temá­ti­ca “Ousadia(s)” pau­ta­rá todas as ses­sões pro­gra­ma­das em Mar­ço, incluin­do pro­jec­ção de fil­mes naci­o­nais que mos­tram a resi­li­ên­cia de fazer cine­ma em Por­tu­gal.

Isto Não é um Filme, de Mojtaba Mirtahmasb e Jafar Panahi

A arte sem­pre foi uma arma polí­ti­ca de rei­vin­di­ca­ção, resis­tên­cia e pro­gres­so. Não é ao aca­so que as van­guar­das ide­o­ló­gi­cas da con­tem­po­ra­nei­da­de foram sem­pre acom­pa­nha­das de van­guar­das artís­ti­cas — e o cine­ma, des­de a sua insur­gên­cia, sem­pre fez par­te das mes­mas. Nes­te ciclo cele­­bra-se não só o cine­ma, mas tam­bém os actos de resis­tên­cia e acti­vis­mo que tan­to pre­ci­sa­mos e mere­ce­mos nos dias de hoje.

Reco­nhe­ci­do como um dos mais impor­tan­tes rea­li­za­do­res da actu­a­li­da­de, Jafar Panahi – cujos fil­mes exa­mi­nam de for­ma crí­ti­ca a rea­li­da­de soci­al do Irão — foi pre­so em sua casa em Mar­ço de 2010 e con­de­na­do a 6 anos de pri­são em Dezem­bro do mes­mo ano. Foi ain­da proi­bi­do de fazer fil­mes duran­te os pró­xi­mos 20 anos.

Em pri­são domi­ci­liá­ria e impos­si­bi­li­ta­do de fil­mar, Panahi deci­de “con­tar” um fil­me em vez de o “fazer”. O resul­ta­do é um fil­me espan­to­so e como­ven­te sobre o poder do cine­ma, sobre a cen­su­ra, e sobre a liber­da­de de expres­são.

A arte sem­pre foi uma arma polí­ti­ca de rei­vin­di­ca­ção, resis­tên­cia e pro­gres­so. Não é ao aca­so que as van­guar­das ide­o­ló­gi­cas da con­tem­po­ra­nei­da­de foram sem­pre acom­pa­nha­das de van­guar­das artís­ti­cas — e o cine­ma, des­de a sua insur­gên­cia, sem­pre fez par­te das mes­mas. Nes­te ciclo cele­­bra-se não só o cine­ma, mas tam­bém os actos de resis­tên­cia e acti­vis­mo que tan­to pre­ci­sa­mos e mere­ce­mos nos dias de hoje.

Reco­nhe­ci­do como um dos mais impor­tan­tes rea­li­za­do­res da actu­a­li­da­de, Jafar Panahi – cujos fil­mes exa­mi­nam de for­ma crí­ti­ca a rea­li­da­de soci­al do Irão — foi pre­so em sua casa em Mar­ço de 2010 e con­de­na­do a 6 anos de pri­são em Dezem­bro do mes­mo ano. Foi ain­da proi­bi­do de fazer fil­mes duran­te os pró­xi­mos 20 anos.