Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos” chega aos cinemas portugueses em março de 2019

O filme luso-brasileiro de João Salavisa e Renée Nader Messora foi premiado na mais recente edição do Festival de Cannes.

Cinema Brasileiro Cinema Portugus

O filme luso-brasileiro de Joo Salavisa e Rene Nader Messora foi premiado na mais recente edio do Festival de Cannes.

O filme “Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos”, produção luso-brasileira realizada por João Salavisa e Renée Nader Messora estreia a 14 de março de 2019 nas salas de cinema portuguesas, anunciou hoje a distribuidora, Desforra Apache.

Pré­mio espe­ci­al do Júri da sec­ção Un Cer­tain Regard, no Fes­ti­val de Cine­ma de Can­nes des­te ano, o fil­me acu­mu­lou mais três galar­dões no pas­sa­do fim de sema­na — Pré­mio Espe­ci­al do Júri do Fes­ti­val Inter­na­ci­o­nal de Cine Mar del Pla­ta, na Argen­ti­na, e pré­mi­os de melhor rea­li­za­ção e melhor foto­gra­fia no Fes­ti­val Inter­na­ci­o­nal de Cine­ma do Rio de Janei­ro. Eem agos­to rece­be­ra o pré­mio de melhor obra de fic­ção do Fes­ti­val de Cine­ma de Lima, no Peru.

Des­de a pri­mei­ra exi­bi­ção públi­ca, em Can­nes, “Chu­va é Can­to­ria na Aldeia dos Mor­tos” pas­sou por mais de 30 fes­ti­vais e foi dis­tin­gui­do por nove vezes.

Roda­do ao lon­go de nove meses, numa aldeia indí­ge­na no esta­do de Toca­tins, no cen­tro do Bra­sil, é pro­ta­go­ni­za­do por Ihjãc, um ado­les­cen­te indí­ge­na do povo Krahô que rejei­ta o seu des­ti­no de se trans­for­mar em xamã e foge para a cida­de de Ita­ca­já. Lon­ge do seu povo e da sua cul­tu­ra, vai enfren­tar a rea­li­da­de de ser um indí­ge­na no Bra­sil con­tem­po­râ­neo.

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cinema Brasileiro Cinema Portugus

Fon­te.