Arquivo de etiquetas: centro de estudos cinematográficos

Ciclo de Cinema “Paisagens Culturais”

O Centro de Estudos Cinematográficos e o Museu Monográfico de Conimbriga apresentam como programação cultural no âmbito do Dia Internacional dos Museus, este ano sob a diretriz “Museus e Paisagens Culturais”, um Ciclo de Cinema.

Através da “Sétima Arte” procuram-se redescobrir outras paisagens, outras estórias, centradas na cidade de Coimbra. Desde a obra prima “Capas Negras”, onde a fadista Amália Rodrigues revelou o seu talento como atriz, passando também pelas lutas académicas dos anos 1969 em “Futebol de Causas”. “O Rasganço”, “Quinto Império” e “O Arquitecto e a Cidade Velha” são outras das obras que permitirão fazer uma viagem pelo tempo, percorrer momentos históricos, observar panoramas e iconografias diversas, retratadas pelo olhar peculiar de realizadores portugueses.

Entre os dias 17 e 21 de Maio, a partir das 21h30, no Auditório do Museu Monográfico de Conimbriga. A Entrada é Gratuita e limitada a 90 lugares.

13133371_1050591545015629_7109119877648734496_n

Como complemento a este ciclo de cinema há a possibilidade de se jantar no Restaurante do Museu Monográfico de Conimbriga. A reserva para jantar assegura automaticamente lugar na sala.

Ementa (10 € por pessoa com tudo incluído):
Dia 17: Caldo verde, Churrasquinho de porco preto, Panna-cotta.
Dia 18: Sopa de espinafres, Lombinho recheado com ameixas, Bolo de chocolate com gelado.
Dia 19: Sopa do mar, Salmão confitado, Bolo de ananás com gelado.
Dia 20: Sopa de legumes, Tibornada de bacalhau, Torta de laranja.
Dia 21: Duo de cenoura e couve-flor, Perú recheado com alheira, Tiramisú

Mais informação através do 239 941 177 / conimbriga@dgpc.pt

Ciclo de Cinema em colaboração com a Amnistia Internacional

O Centro de Estudos Cinematográficos, em parceria com o Núcleo de Coimbra da Amnistia Internacional, exibe um ciclo de cinema dedicado aos direitos humanos. Vai acontecer nos dias 24 e 26 de Setembro e nos dias 1 e 3 de Outubro no Mini Auditório Salgado Zenha, sempre às 22h e com entrada livre

No dia 24 de Setembro é projectado o filme “Viagem a Portugal” de Sérgio Tréfaut. Esta longa metragem recebeu duas nomeações para dois Globos de Ouro 2012: melhor filme e melhor Actriz (Maria de Medeiros). E entre as muitas apresentações internacionais destacam-se a presença de “Viagem a Portugal” na Suiça (Forum e Festival Internacional de Direitos Humanos de Genebra), Argentina (Festival Internacional de Direitos Humanos de Buenos Aires), Brasil (Festival Internacional de Curitiba) e Mostra de Cinema Contemporâneo Português em São Paulo e no Rio de Janeiro. “Viagem a Portugal” é um filme político sobre os procedimentos de controlo de estrangeiros nos aeroportos europeus e sobre o tratamento desumano, que é aceite como prática comum nos dias de hoje.

Ainda em Setembro, no dia 26 de Outubro, é a vez de ser exibido “Das 9h às 5h – Trabalho sexual é trabalho”. Prostitutas, prostitutos, negociantes do sexo, bailarinas, atrizes e actores pornográficos e donos de “casas de meninas” dão voz a um documentário de Rita Alcaire e Rodrigo Lacerda. Ao longo de dois anos e meio os realizadores acompanharam o quotidiano destas personagens, que se empregam no ramo sexual, com o objetivo de documentarem as lutas, as vontades, os desejos, e passarem a mensagem da realidade do “meio sexual” do nosso país.

No primeiro dia de Outubro será a vez de ser exibido “Adeus até ao meu regresso: soldados do império”. Este documentário de Paulo César Fajardo é baseado em depoimentos de ex-combatentes da Guerra do Ultramar. São pouco mais de 41 minutos de imagens e vídeo de acção nos teatros de guerra com depoimentos na primeira pessoa.

Por fim, no dia 3 de Outubro cabe ao filme “ Em posição de escolher”, da série “Teremos derechos” encerrar este ciclo de cinema.

Sobre o Artigo d’”A Cabra” : “DG/AAC negoceia estatuto para alunos de secções culturais”

“Na edição do Jornal A Cabra expressa-se que “(…) se calhar, será difícil quantificar o trabalho que se faz numa secção, por exemplo, como o Centro de Estudos Cinematográficos.” Miguel Portugalagradecemos em nome da secção a visão de trabalho inquantificável que a DG/AAC possui sobre o trabalho da mesma! Será necessário acrescentar inqualificável?”