Ciclo “Fusões no Cinema”

 

O Ciclo “Fusões no Cinema” retoma a programação num conjunto de temáticas que apresentam várias fusões artísticas, culturais e sociais na imagem em movimento. Com especial destaque para obras cinematográficas nacionais e este mês, à música, percorremos por entre tradições, rock conimbricense e viagens pelas estradas portuguesas, perspectivas e mundos de alguns artistas nacionais que procuram o seu rumo.

O ciclo começa já hoje e irá prolongar-se até dia 15 de Dezembro no Mini- Auditório Salgado Zenha na Associação Académica de Coimbra com sessões às Terças e Quintas.

Entrada é gratuita.

 

6 de Dezembro

Terça-Feira

18h30

Carrotrope de Paulo d’Alva

carrotrope

Carrotrope é um novo brinquedo óptico. Aglutina o carrossel e o thraumatrope, dois objectos que representam os movimentos cíclicos da vida. Entretanto, um homem bebe e o tempo passa ao ritmo dos 24 frames por segundo.

 

 

 

A Glória de Fazer Cinema em Portugal  de Manuel Mozos

a_gloria_de_fazer_cinema_11

A 18 de Setembro de 1929, José Régio escreveu uma carta a Alberto Serpa onde manifestou a vontade de fundar uma produtora para começar a fazer cinema. Para isso, pediu-lhe que contactasse um amigo seu, que teria uma câmara de filmar.

 

 

 

Outubro Acabou de Karen Akerman e Miguel Seabra Lopes

outubroacabou1

“Outubro Acabou” é um filme resgatado: a infância que pega no cinema pelas suas mãos para nos devolver as suas origens.

 

 

 

 

22h00

Os Filhos do Tédio  de Rodrigo Fernandes e Rita Alcaire

filhos-do-tedio-still

A atitude é um pormenor que faz a diferença. Eis o tempo de falar sobre outro lado de Coimbra, cidade universitária portuguesa.

 

 

 

 

 

8 de Dezembro

Quinta-Feira

18h30

Embargo de António Ferreiraembargo

A partir da obra homónima de José Saramago

Nuno é um homem que trabalha numa roulotte de bifanas, mas que inventou uma máquina que promete revolucionar a indústria do calçado – um digitalizador de pés. No meio de um embargo petrolífero e deparando-se com uma estranha dificuldade, Nuno tenta obstinadamente vender a máquina, obcecado por um sucesso que o fará descurar algumas das coisas essenciais da sua vida. Quando Nuno fica estranhamente enclausurado no seu próprio carro e perde uma oportunidade única de finalmente produzir o seu invento, vê subitamente a sua vida embargada…

22h00

The Last Analogue Tree de  Jorge Pelicano

last-analogue-treeUma árvore, última árvore. Ambas em analógico.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pára-me de Repente o Pensamento de Jorge Pelicano

para-me-de-repente-o-pensamento

Cafezinho, cigarrinho. Moedinha, outro cafezinho. Utentes vagueiam pelos corredores. Circulam sós. Esperam. Mais uma passa, um cigarro que morre em beata. Terapias que apelam aos sentidos. Rotinas que os puxam para a realidade.

13 de Dezembro

Terça-Feira

18h30

Rosso Papavero de Martin Smatana

rosso_papavero_002

Uma vez sob um céu estrelado, um pequeno rapaz com a cabeça cheia de fantasia é testemunha dum desempenho de circo de sonho.

 

 

 

 

 

LUX de Bernardo Lopes

lux

Pedro, um escritor solitário, resolve embarcar num desnorteio imaginário para conseguir chegar à ideia para o seu novo romance.

 

 

 

 

 

 

 

A Casa Azul  de Cláudia Clemente

casa-azul

Tu não és dono da casa. Passas através dela pelo tempo que te toca viver. A casa permanecerá, mesmo quando de ti nada restar senão cinzas e pó. Tu não és importante, só a casa importa.

 

 

 

 

Quarto em Lisboa de Francisco Carvalho

quarto-em-lisboa

Maria sempre viveu sozinha. Um dia vê-se obrigada a arrendar o seu próprio quarto a Joana, uma estudante que vem viver para Lisboa.

 

 

 

 

 

22h00

Porque não sou o Giacometti do Séc. XXI de Tiago Pereira

porque-nao-sou-giacometti

Desde 2011 que gravo de forma frenética e comprometida enquanto autor, manifestações musicais e coreográficas de vários géneros, perdidas nos montes e nos vales, nas cidades e nas aldeias pelo país todo, continental e insular.

 

 

15 de Dezembro

Quinta-Feira

18h30

Pov Inventod – Ecos Di Cap Verd de Juan Mesenguer Navarro

pov-inventod

Em 1984, um grupo de jovens cabo-verdianos, influenciados pelo espírito do festival de Woodstock, decidiram criar o festival “Baia das Gatas” na ilha de San Vicente, Cabo Verde. Não podiam imaginar que 30 anos depois este festival seria uma referência para a ilha e um dos mais importantes eventos anuais do país.

 

 

22h00

Auto Rádio de Gonçalo Pôla

auto_rdio___de_gonalo_pla_1

Verão de 2015. Quatro amigos partem na mais longa digressão de datas consecutivas de que há memória na história da música portuguesa. 5670 kms a bordo de uma carrinha Volkswagen Golf de 1996. Benjamim viajou do coreto de Alvito até à Gafanha da Nazaré, com etapa especial no Festival Bons Sons, na aldeia de Cem Soldos. A acompanhá-lo na estrada, António Vasconcelos Dias, músico da banda, Manuel San Payo, técnico de som e Gonçalo Pôla, realizador-documentarista.

Fusões no Cinema : Programação 4 a 13 de Outubro

Iniciamos hoje o Ciclo “Fusões no Cinema” organizado pelo Festival Caminhos Cinema Português e pelo Centro de Estudos Cinematográficos.

A programação para a próxima quinzena é a seguinte:

Terça-Feira, 4 de Outubro

18h30
Otorrinolaringologista – Filme de André Pereira
Fear de Michal Blaško
Secrecies de Katja Benrath
#Lingo de Vicente Niro

22h00
Las Malas Lenguas de Juan Paulo Laserna

Quinta-Feira, 6 de Outubro

18h30
Lard Zone de Sérgio Carvalho
Apollo, Daphne and darkness de Martina Mrazova
Eyes Wide de Lin Yi-Chuang

22h00
O Retrato de Eduardo Breda

Terça-Feira, 11 de Outubro

18h30
Scenes from a beheading de Vinnie De Craim
Luma de Sohini Tal
Trama de Luisa Neves Soares
Some of Us de Anja Kavic

22h00
Crónicas de Santa Cruz de Tiago Cravidão

Quinta-Feira, 13 de Outubro

18h30
Ramble de Andreas Ramm
Iterance de Sérgio Miguel Silva
Tiny Little Delicate Foreign Castles de Rob Key
A Useless Fiction de Cheong Kin Man

22h00
Ilusão de Sofia Marques

Cinema de Animação no Pólo 2

Na recta final de preparação para a edição XXI do Caminhos Film Festival anunciamos uma nova oportunidade para o público de Coimbra ver o que de melhor foi exibido nas ultimas edições do festival na categoria de animação. Em colaboração com a Associação Olho de Vidro serão sete as curtas exibidas na próxima quinta-feira às 21horas no Centro Cultural Casa da Pedra, junto ao Pólo II.

Continuar a ler

Ciclo de Cinema — Marginalidades

De 19 de Abril a 28 de Junho pelas 22 horas. Entrada Livre

Todas as quintas-feiras no Mini-Auditório Salgado Zenha | Entrada Livre

De 19 de Abril a 28 de Junho, todas as quintas-feiras pelas 22 horas, decorrerá o ciclo de cinema “Marginalidades”, integrado no programa cultural da Queima das Fitas 2012. Abarcando temas fracturantes, que pela força das suas imagens, vivências dos seus personagens ou violência dos seus contextos, desenham retratos realistas da condição de uma franja da população. A programação do ciclo retrata classes sociais fortemente oprimidas, ou relegadas para uma certa marginalidade.

Neste ciclo o Centro de Estudos Cinematográficos (CEC) apresenta nove longas-metragens, unidas por temáticas semelhantes.

O filme inicial, exibido a 19 de Abril, será “Serpico”, de Sidney Lumet. Um retrato intenso das franjas da corrupção e limites do comportamento humano.

Dia 26 de Abrial apresentamos “Tudo Sobre a Minha Mãe”, de Pedro Almodóvar. Conheceremos a demanda de Manuela em reencontrar um passado perdido.

Retomamos a exibição do ciclo, a 17 de Maio, apresentando o documentário “Os Tempos de Harvey Milk”, de Rob Epstein. Um retrato fiel de Harvey Milk, primeiro homossexual eleito para um cargo político na Califórnia.

24 de Maio apresentamos “20, 13”, de Joaquim Leitão. Seremos levados até à véspera de Natal de 1969, num quartel de Moçambique, uma noite determinante para todos os soldados e restantes presentes no local…

Em 31 de Maio será exibido “Pânico em Needle Park”, de Jerry Schatzberg. Uma comovente história de amor, entre o crime e a dependência.

A 7 de Junho apresentamos “Trainspotting”, de Danny Boyle. Uma intensa e selvagem viagem através dos recantos mais sombrios de Edimburgo.

14 de Junho apresentamos o mundialmente aclamado “Tsotsi”, de Gavin Hood. seguiremos as pisadas de um rapaz negro de 19 anos, impiedoso líder de um gang dos arredores de Joanesburgo, durante seis dias.

A 21 de Junho, apresentamos “Ganhar a Vida”, de João Canijo. A história de uma personagem que a vida fará maior que a vida, ao descobrir na tragédia que a trespassa, e na morte que se instala na sua própria família, que o que tem a ganhar é precisamente uma nova vida.

Finalmente a 28 de Junho, apresentamos “América”, de João Nuno Pinto. Nesta América, falsificam-se passaportes, futuros, esperanças e a ilusão de um mundo cheio de promessas.

As sessões decorrerão no Mini-Auditório Salgado Zenha, no edifico da Associação Académica de Coimbra, com entrada livre.