SOBRE OLIVEIRA & BOTELHO

https://i0.wp.com/caminhos.info/wp-content/uploads/vlcsnap-00001.png?fit=824%2C624

Mano­el de Oli­vei­ra tem sido con­si­de­ra­do pelos seus pares como um dos gran­des Mes­tres do cine­ma. Aos seus 73, como jei­to de regis­to cine­ma­to­grá­fi­co da dor, memo­ri­za a sua casa, o aban­do­no do mate­ri­al e a per­da da esta­bi­li­da­de para um novo pon­to de par­ti­da exis­ten­ci­al. Ape­sar de pare­cer algo total­men­te nefas­to se olha­do super­fi­ci­al­men­te, repre­sen­tou um mar­co na sua car­rei­ra, a influên­cia da bus­ca pelo real que pode ser fic­ci­o­na­do, a refe­rên­cia e amor pela arte de for­ma trans­ver­sal (não são raras as refe­rên­ci­as a Agus­ti­na, por exem­plo) expres­sa pela pelí­cu­la.

Mano­el de Oli­vei­ra tem sido con­si­de­ra­do pelos seus pares como um dos gran­des Mes­tres do cine­ma. Aos seus 73, como jei­to de regis­to cine­ma­to­grá­fi­co da dor, memo­ri­za a sua casa, o aban­do­no do mate­ri­al e a

https://i0.wp.com/caminhos.info/wp-content/uploads/vlcsnap-00001.png?fit=824%2C624
Mano­el de Oli­vei­ra tem sido con­si­de­ra­do pelos seus pares como um dos gran­des Mes­tres do cine­ma. Aos seus 73, como jei­to de regis­to cine­ma­to­grá­fi­co da dor, memo­ri­za a sua casa, o aban­do­no do mate­ri­al e a per­da da esta­bi­li­da­de para um novo pon­to de par­ti­da exis­ten­ci­al. Ape­sar de pare­cer algo total­men­te nefas­to se olha­do super­fi­ci­al­men­te, repre­sen­tou um mar­co na sua car­rei­ra, a influên­cia da bus­ca pelo real que pode ser fic­ci­o­na­do, a refe­rên­cia e amor pela arte de for­ma trans­ver­sal (não são raras as refe­rên­ci­as a Agus­ti­na, por exem­plo) expres­sa pela pelí­cu­la.

Ciclo de Cinema “Paisagens Culturais”

O Cen­tro de Estu­dos Cine­ma­to­grá­fi­cos e o Museu Mono­grá­fi­co de Conim­bri­ga apre­sen­tam como pro­gra­ma­ção cul­tu­ral no âmbi­to do Dia Inter­na­ci­o­nal dos Museus, este ano sob a dire­triz “Museus e Pai­sa­gens Cul­tu­rais”, um Ciclo de Cine­ma.

Do Livro ao Filme” — Ciclo de Cinema

Assim do livro ao fil­me não sin­to que algu­ma coi­sa de fun­da­men­tal se per­des­se para a inten­ção com que o rea­li­zei — como sin­to que algu­ma coi­sa de novo se cri­ou para lá da arte da ima­gem em que se trans­fi­gu­ra.”
— Vir­gí­lio Fer­rei­ra