Centro de Estudos Cinematográficos

Democracia em Vertigem”, de Petra Costa

Abrin­do o Ciclo “cine­ma, Acti­vis­mo e Soci­e­da­de” é exi­bi­do, no dia 26 de Feve­rei­ro às 21h45, o fil­me “Demo­cra­cia em Ver­ti­gem, de Petra Cos­ta (2019) 122′. Nes­te ciclo cele­­bra-se não só o cine­ma, mas tam­bém os actos de resis­tên­cia e acti­vis­mo que tan­to pre­ci­sa­mos e mere­ce­mos nos dias de hoje. A Entra­da no Mini-Audi­­tó­­rio Sal­ga­do Zenha, em coim­bra, é Livre.

Abrin­do o Ciclo “cine­ma, Acti­vis­mo e Soci­e­da­de” é exi­bi­do, no dia 26 de Feve­rei­ro às 21h45, o fil­me “Demo­cra­cia em Ver­ti­gem, de Petra Cos­ta (2019) 122′. Nes­te ciclo cele­­bra-se não só o cine­ma, mas tam­bém os actos de resis­tên­cia e acti­vis­mo que tan­to pre­ci­sa­mos e mere­ce­mos nos dias de hoje. A Entra­da no Mini-Audi­­tó­­rio Sal­ga­do Zenha, em coim­bra, é Livre.

Cinema, Activismo e Sociedade

A arte sem­pre foi uma arma polí­ti­ca de rei­vin­di­ca­ção, resis­tên­cia e pro­gres­so. Não é ao aca­so que as van­guar­das ide­o­ló­gi­cas da con­tem­po­ra­nei­da­de foram sem­pre acom­pa­nha­das de van­guar­das artís­ti­cas — e o cine­ma, des­de a sua insur­gên­cia, sem­pre fez par­te das mes­mas. Nes­te ciclo cele­bra-se não só o cine­ma, mas tam­bém os actos de resis­tên­cia e acti­vis­mo que tan­to pre­ci­sa­mos e mere­ce­mos nos dias de hoje.

2020/02/26
Demo­cra­cia em Ver­ti­gem, de Petra Cos­ta 2019 121min

2020/03/04
The Lazi­ness, de Yev­ge­niy Sivo­kon (1979), 7min
Mute, de Job, Joris and Mari­e­ke (2013), 4min
Isto não é um Fil­me, de Moj­ta­ba Mir­tah­masb e Jafar Panahi (2011), 75min

2020/03/11
Sinó­ni­mos, de Nadav Lapid (2019), 123m

O Jardim das Aflições de Josias Teófilo

Mar­can­do o iní­cio da últi­ma sema­na de pro­jec­ções cine­ma­to­grá­fi­cas, o pro­jec­to Fusões no Cine­ma vem des­ta vez pro­jec­tar na tela a car­ga filo­só­fi­ca que pode estar impres­sa na pelí­cu­la. Este docu­men­tá­rio rea­li­za­do por Josi­as Teó­fi­lo vai ao encon­tro do uni­ver­so de Ola­vo de Car­va­lho e da cons­tru­ção dos seus argu­men­tos filo­só­fi­cos.

O pen­sa­men­to de Ola­vo de Car­va­lho per­so­ni­fi­ca­do pela sua pre­sen­ça, roti­na de tra­ba­lho e con­ví­vio fami­li­ar na Vir­gí­nia (EUA), onde mora atu­al­men­te. O fil­me par­te dos temas do livro homô­ni­mo que ele publi­cou em 1995, tais como o sim­bo­lis­mo dos jar­dins na tra­di­ção filo­só­fi­ca, liber­da­de indi­vi­du­al e opres­são do cole­ti­vo, o pen­sa­men­to aris­to­té­li­co, e che­ga a um dos temas cen­trais do seu pen­sa­men­to: a mor­te e a filo­so­fia – aque­las idei­as que con­ti­nu­am sen­do impor­tan­tes para nós em face da mor­te – ten­do como mote a per­gun­ta: “O que você vai fazer com a sua vida enquan­to é tem­po?”.

A ses­são ocor­re­rá no dia 18 de dezem­bro às 22:00 e a entra­da no Mini-Audi­tó­rio Sal­ga­do Zenha é livre.

Pessoanos comentam o “Filme do Desassossego”

Na pró­xi­ma quin­ta-fei­ra, 2 de Novem­bro, o Mini-Audi­tó­rio Sal­ga­do Zenha irá rece­ber a exi­bi­ção do “Fil­me do Desas­sos­se­go” de João Bote­lho. Este fil­me é base­a­do no livro homó­ni­mo da auto­ria dos hete­ró­ni­mos, de Fer­nan­do Pes­soa, Ber­nar­do Soa­res e Vicen­te Gue­des. O livro ina­ca­ba­do de Fer­nan­do Pes­soa tem conhe­ci­do vári­as edi­ções com­pi­la­das atra­vés da inter­pre­ta­ção de vári­os edi­to­res dos manus­cri­tos e dac­ti­los­cri­tos ori­gi­nais e das inten­ções escri­tas de orga­ni­za­ção de Fer­nan­do Pes­soa. Cada edi­ção é uma nova pers­pec­ti­va sobre esta obra, o que pode­rá acres­cen­tar o fil­me?

Para res­pon­der a esta per­gun­ta con­ta­mos com a pre­sen­ça de três peri­tos na obra de Fer­nan­do Pes­soa; Antó­nio Apo­li­ná­rio Lou­ren­ço, Bru­no Fon­tes e Manu­el Por­te­la.

Antó­nio Apo­li­ná­rio Lou­ren­ço

Antó­nio Apo­li­ná­rio Lou­ren­ço é pro­fes­sor de lite­ra­tu­ra na Uni­ver­si­da­de de Coim­bra, onde coor­de­na a sec­ção de Estu­dos Espa­nhóis. Inte­gra a Comis­são Exe­cu­ti­va do Cen­tro de Lite­ra­tu­ra Por­tu­gue­sa da mes­ma uni­ver­si­da­de. É autor ou edi­tor de vári­os livros publi­ca­dos em Por­tu­gal, Espa­nha e Bra­sil, entre os quais uma His­tó­ria da Lite­ra­tu­ra Espa­nho­la (1994, em cola­bo­ra­ção com Eloí­sa Álva­rez), uma His­to­ria de la Lite­ra­tu­ra Por­tu­gue­sa (2000, coe­di­tor, com José Luis Gavi­la­nes), Iden­ti­da­de e alte­ri­da­de em Fer­nan­do Pes­soa e Anto­nio Macha­do (1995; com edi­ção espa­nho­la de 1997), Eça de Quei­rós e o Natu­ra­lis­mo na Penín­su­la Ibé­ri­ca (2005), Estu­dos de lite­ra­tu­ra com­pa­ra­da luso-espa­nho­la (2005), Fer­nan­do Pes­soa (2009), Guia de lei­tu­ra. Men­sa­gem de Fer­nan­do Pes­soa (2011), Lite­ra­tu­ra, Espa­ço, Car­to­gra­fi­as (2011, coe­di­tor, com Osval­do Manu­el Sil­ves­tre), Pode­res y Auto­ri­da­des en el Siglo de Oro: Rea­li­dad y Repre­sen­ta­ción (2012, coe­di­tor com Jesús M. Usu­ná­riz), O Sécu­lo do Roman­ce. Rea­lis­mo e Natu­ra­lis­mo na Fic­ção Oito­cen­tis­ta (2013, coe­di­tor com Maria Hele­na San­ta­na e Maria João Simões) e O Moder­nis­mo (2015, em cola­bo­ra­ção com Car­los Reis). A sua edi­ção comen­ta­da da Men­sa­gem de Fer­nan­do Pes­soa foi lan­ça­da no Bra­sil em 2015, na cole­ção de clás­si­cos da Ate­liê Edi­to­ri­al.

Bru­no Fon­tes

Bru­no Fon­tes licen­ci­ou-se em Estu­dos Por­tu­gue­ses e Lusó­fo­nos na Facul­da­de de Letras da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra, e con­cluiu, na mes­ma ins­ti­tui­ção, o Mes­tra­do em Estu­dos Artís­ti­cos, na área de estu­dos fíl­mi­cos. Tem desen­vol­vi­do ati­vi­da­des em con­jun­to com diver­sas asso­ci­a­ções cul­tu­rais em Coim­bra, no Por­to e na Figuei­ra da Foz. As suas áre­as de inte­res­se cen­tram-se no diá­lo­go do cine­ma com as outras artes, das quais se des­ta­cam a lite­ra­tu­ra e a músi­ca, e na aná­li­se da arte e da cul­tu­ra de mas­sas na soci­e­da­de con­tem­po­râ­nea. Está nes­te momen­to a fre­quen­tar o Pro­gra­ma de Dou­to­ra­men­to em Mate­ri­a­li­da­des da Lite­ra­tu­ra na Uni­ver­si­da­de de Coim­bra. 

Manu­el Por­te­la

Manu­el Por­te­la é pro­fes­sor da Facul­da­de de Letras da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra, onde diri­ge o Pro­gra­ma de Dou­to­ra­men­to em Mate­ri­a­li­da­des da Lite­ra­tu­ra (Pro­gra­ma de Dou­to­ra­men­to FCT). É mem­bro do Cen­tro de Lite­ra­tu­ra Por­tu­gue­sa da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra, sen­do o inves­ti­ga­dor res­pon­sá­vel pelo Arqui­vo LdoD (https://ldod.uc.pt/), um arqui­vo digi­tal dedi­ca­do ao Livro do Desas­sos­se­go, a publi­car em 2017. O seu últi­mo­li­vro inti­tu­la-se Scrip­ting Rea­ding Moti­ons: The Codex and the Com­pu­ter as Self-Refle­xi­ve Machi­nes (MIT Press, 2013).