Arquivo de etiquetas: cec

Eleições para os Corpos Gerentes

No passado dia 13 de Março deu-se início ao processo eleitoral para os Corpos Gerentes do Centro de Estudos Cinematográficos da Associação Académica de Coimbra (CEC/AAC), com a aprovação do Regulamento Eleitoral em Plenário de secção.

O acto eleitoral decorrerá no dia 5 de Abril entre as 18 horas e as 23 horas na sala do CEC/AAC.

O regulamento eleitoral pode ser consultado nos placards da secção.

O Presidente da Comissão Eleitoral será o sócio nº674, Gonçalo Ribeiro mandatado segundo o artigo 29º do Regulamento Interno do CEC/AAC.

Doravante, qualquer assunto relacionado com o acto eleitoral deve ser dirigido ao mesmo, através dos seguintes contactos:
E-mail: goncalommribeiro@gmail.com
Tlm: 919 663 130

AAC no Jamor.

As Imposições da DG/AAC em relação à autonomia do CEC e à forma como nos deveríamos apresentar na final da taça e/ou possivelmente participar numa manifestação política não são de todo posições que o CEC deva aceitar ou considerar.

Infelizmente o nosso piquenique nos jardins do Jamor, passará a ser um piquenique nos Jardins do Dr. Luzio Vaz (ou outro sitio também agradável).

Temos muita pena que pelas imposições da DG/AAC, o CEC não esteja numa festa que deveria ser de toda a academia.

Esperemos que as vozes da Assembleia Magna trabalhem tanto quanto os Sócios Seccionistas das Secções Culturais da AAC.

Ciclo de Cinema — Marginalidades

De 19 de Abril a 28 de Junho pelas 22 horas. Entrada Livre
Todas as quintas-feiras no Mini-Auditório Salgado Zenha | Entrada Livre

De 19 de Abril a 28 de Junho, todas as quintas-feiras pelas 22 horas, decorrerá o ciclo de cinema “Marginalidades”, integrado no programa cultural da Queima das Fitas 2012. Abarcando temas fracturantes, que pela força das suas imagens, vivências dos seus personagens ou violência dos seus contextos, desenham retratos realistas da condição de uma franja da população. A programação do ciclo retrata classes sociais fortemente oprimidas, ou relegadas para uma certa marginalidade.

Neste ciclo o Centro de Estudos Cinematográficos (CEC) apresenta nove longas-metragens, unidas por temáticas semelhantes.

O filme inicial, exibido a 19 de Abril, será “Serpico”, de Sidney Lumet. Um retrato intenso das franjas da corrupção e limites do comportamento humano.

Dia 26 de Abrial apresentamos “Tudo Sobre a Minha Mãe”, de Pedro Almodóvar. Conheceremos a demanda de Manuela em reencontrar um passado perdido.

Retomamos a exibição do ciclo, a 17 de Maio, apresentando o documentário “Os Tempos de Harvey Milk”, de Rob Epstein. Um retrato fiel de Harvey Milk, primeiro homossexual eleito para um cargo político na Califórnia.

24 de Maio apresentamos “20, 13”, de Joaquim Leitão. Seremos levados até à véspera de Natal de 1969, num quartel de Moçambique, uma noite determinante para todos os soldados e restantes presentes no local…

Em 31 de Maio será exibido “Pânico em Needle Park”, de Jerry Schatzberg. Uma comovente história de amor, entre o crime e a dependência.

A 7 de Junho apresentamos “Trainspotting”, de Danny Boyle. Uma intensa e selvagem viagem através dos recantos mais sombrios de Edimburgo.

14 de Junho apresentamos o mundialmente aclamado “Tsotsi”, de Gavin Hood. seguiremos as pisadas de um rapaz negro de 19 anos, impiedoso líder de um gang dos arredores de Joanesburgo, durante seis dias.

A 21 de Junho, apresentamos “Ganhar a Vida”, de João Canijo. A história de uma personagem que a vida fará maior que a vida, ao descobrir na tragédia que a trespassa, e na morte que se instala na sua própria família, que o que tem a ganhar é precisamente uma nova vida.

Finalmente a 28 de Junho, apresentamos “América”, de João Nuno Pinto. Nesta América, falsificam-se passaportes, futuros, esperanças e a ilusão de um mundo cheio de promessas.

As sessões decorrerão no Mini-Auditório Salgado Zenha, no edifico da Associação Académica de Coimbra, com entrada livre.

Ciclo de Cinema Português – ESN

Decorrerá entre 4 de Abril e 30 de Maio o Ciclo de Cinema Português – ESN, um ciclo de cinema exclusivamente português, que terá como público-alvo os estudantes internacionais, permitindo assim que estes convivam com uma qualidade nacional muitas vezes esquecida mas que vai ganhando cada vez mais projecção internacional. Para este ciclo o CEC e a ESN reuniram 5 filmes, legendados em inglês, que muito bem ilustram as variadas vertentes dos nossos cineastas. As sessões terão lugar no Mini-auditório Salgado Zenha e têm início às 22h.

Para começar, dia 4 de Abril, será exibido o filme Rasganço, um filme de ficção que relata uma série de crimes na cidade de Coimbra e nalgumas das tradições académicas que nos são tão conhecidas.

No dia 18 de Abril poderá ser visto o filme Aquele querido mês de Agosto, um retrato do Portugal do interior com os seus populares, as suas festas e os seus amores.

Dia 2 de Maio conheceremos a história de Nuno, um homem que trabalha numa roulotte de bifanas, inventa uma máquina revolucionária para a indústria do calçado. Viveremos a obsessão deste homem por vender a máquina e o descuro deste pelas coisas essenciais da sua vida no filme Embargo.

A 16 de Maio Dot.com fará as delícias do público com a história de uma aldeia, Águas Altas, da sua guerra com uma multinacional espanhola por causa de um site e das repercussões mediáticas que esta situação caricata traz.

Para terminar, a 30 de Maio, será a vez de Quinze pontos na alma, um drama em que uma mulher se apaixona por um homem que tentava escapar à vida saltando de uma ponte. Uma paixão misteriosa que se transforma em obsessão e que faz esta mulher seguir um sonho, mesmo que isso signifique deixar tudo para trás.

Este ciclo será gratuito para alunos com cartão ESN e para os sócios do CEC. Para a restante comunidade terá o custo de 1€ por sessão.

Aviso de Obras

O Centro de Estudos Cinematográficos da Associação Académica de Coimbra (CEC/AAC), vem por este meio informar que em virtude de se estar a proceder obras no Mini-Auditório Salgado Zenha, o mesmo se encontra indisponível durante as primeiras duas semanas de Janeiro de 2012.
O Mini-Auditório tem-se revelado um espaço de formação e de apresentações, não estando na sua forma original projectado para actividades além da exibição cinematográfica e pequenas palestras. As introduções tecnológicas vieram revolucionar a formação desde a construção do mini-auditório, deixando tanto a formação como as palestras ou conferências de imprensa cada vez mais dependentes de conteúdos multimédia. É urgente adaptar o espaço e tornar-lo mais versátil.

Acreditamos que estas pequenas reformulações irão agilizar o mini-auditório de meios que não dispõe actualmente e serão muito bem acolhidas por todos os utilizadores regulares do espaço.